Cotidiano

Sem-terra negociam e desbloqueiam BR-163, mas permanecem em usina

Grupo liberou rodovia após promessa de reunião

Midiamax Publicado em 19/01/2016, às 14h17

None
mst_-_almir_portela-nova_news.jpg

Grupo liberou rodovia após promessa de reunião

Após acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), integrantes dos movimentos sociais FNL (Força Nacional de Luta), MAC (Movimento de Agricultura Camponesa), MAF (Movimento de Agricultura Familiar) e MTR (Movimento dos Trabalhadores Rurais) desbloquearam o km 58 da BR-163 em Mundo Novo.

A pista ficou interditada por mais de uma hora nesta terça-feira (19) e provocou congestionamento de mais de um quilômetro em ambos os lados da rodovia. De acordo com o líder estadual da FNL, Vilmar Morares, os manifestantes decidiram liberar o trecho depois de uma negociação com a PRF.

"Eles conseguiram marcar uma reunião para hoje com representantes do Incra [Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária] para discutirmos a reforma agrária no Estado", explica.

Silvio José, representante do MAF, revela que antes do acordo outro grupo, também com cerca de 150 manifestantes, estava preparado para fechar o km 394 da BR-163 em Nova Alvorada do Sul, a 120 quilômetros da Capital.

"Isso é um efeito dominó e faz parte das ações pela reforma agrária que iniciamos no dia 10 de dezembro de 2015. Queremos a liberação das áreas que sabemos que são passíveis de se tornarem assentamentos. O governo está fazendo descaso em relação à reforma agrária no Estado", alega.

O representante do MAF destaca que além do grupo de 150 manifestantes que participou do bloqueio da BR-163 em Mundo Novo, cerca de 700 famílias ocupam desde às 5 horas dessa segunda-feira (18), uma usina da região.

"Eles vão permanecer na usina Itaipu por enquanto", garante. Até o momento, o local da reunião, prevista para às 14 horas, ainda não foi divulgado.  

Jornal Midiamax