Cotidiano

Sem salário, trabalhadores entram em greve e tapa-buracos fica pela metade

Paralisação foi definida em assembleia

Wendy Tonhati Publicado em 13/09/2016, às 15h40

None
7f4f4b7a-f50c-4a94-927f-0b3daebcbb19.jpg

Paralisação foi definida em assembleia

Três equipes de trabalhadores da Wala Engenharia Ltda, uma das empresas que realiza o serviço de tapa-buracos da Prefeitura de Campo Grande, paralisaram as atividades nesta terça-feira (13). De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Pesada de MS (Sinticop MS), Walter Vieira dos Santos, os trabalhadores estão com um mês de salário em atraso. Sem salário, trabalhadores entram em greve e tapa-buracos fica pela metade

Conforme o sindicalista, a previsão de pagamento é na próxima sexta-feira (16). Mesmo assim, os 30 trabalhadores aprovaram a paralisação em uma assembleia. Deste modo, as atividades do tapa-buracos que estavam sendo feitas na região do Bairro Tiradentes foram suspensas e em algumas ruas, ficaram pela metade. “Ficou pela metade. Uma equipe somente estava local e as outras nem trabalharam. Largaram tudo após a decisão de paralisação”, diz Walter. 

Na semana passada, os trabalhadores da Selco Engenharia pretendiam entrar em greve, também por conta do atraso no salário, mas a empresa se antecipou e deu folga para todos. Nesta empresa, dois meses de salários estavam em atraso. Conforme o sindicato, um já foi pago na última sexta-feira (9) e o outro, deve ser acertado na quarta-feira (14). “Na Selco os trabalhos continuam, pois os funcionários deram um voto de confiança à empresa”, explica.

Jornal Midiamax