Cotidiano

Santa Casa negocia e consegue suspender greve da enfermagem

Categoria fará nova assembleia para discutir oferta

Midiamax Publicado em 28/09/2016, às 12h46

None
reuniao_com_santa_casa_-_siems_9.jpg

Categoria fará nova assembleia para discutir oferta

Proposta apresentada pela direção da Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande aos representantes do Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), suspendeu a paralisação inciada nessa terça-feira (27). 

Segundo o presidente do Sindicato, Lázaro Santana, no fim da tarde de ontem, a direção do hospital reafirmou a proposta anterior e anunciou a possibilidade de reajuste maior aos técnicos de enfermagem de nível I, que estão com salário defasado. 

Santana explica que a categoria representa 950 dos 1.200 profissionais de enfermagem contratados pela Santa Casa. Atualmente a categoria recebe remuneração de R$ 1.241,00 para cumprirem jornada de 44 horas semanais. Com o aumento eles receberiam R$ 1.537,00.

"Como eles são a maioria dos profissionais de enfermagem, vamos apresentar essa proposta e ver o que a categoria decide. Enquanto isso, decidimos suspender as paralisações. a direção vai repassar a proposta para o conselho e depois vai apresentar a oferta formalmente para que possamos fazer a assembleia", explica.

Atualmente os técnicos de enfermagem, de nível II recebem salário inicial de R$ 1.725,00 e os enfermeiros de R$ 3.465,00. Com a proposta, caso haja a contratualização da Prefeitura, a partir de janeiro de 2017 ambos terão reajuste de R$ 9,83%. A proposta deve ser apresentada para a categoria até o fim da próxima semana.

Paralisação – 

Ontem os profissionais interrompem as atividades das 7 às 10 horas, à tarde das 12h30 às 15h30. á noite, a proposta já havia sido apresentada e não houve paralisação. Além dos profissionais de enfermagem, funcionários do administrativo, representados pelo Sintesaúde (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviço de Saúde de MS), também participaram da manifestação.

Jornal Midiamax