Cotidiano

Protesto contra Dilma terá esquema de segurança com 250 homens da PM

PM, Bptran, Agetran e Guarda Municipal vão atuar

Alan Diógenes Publicado em 10/03/2016, às 17h25

None
_mg_1364_0.jpg

PM, Bptran, Agetran e Guarda Municipal vão atuar

Cerca de 250 homens da Polícia Militar e BPTran (Batalhão de Polícia Militar de Trânsito) farão a  segurança  dos participantes do protesto contra o governo Dilma Rousseff (PT), que acontecerá neste domingo (13), na Afonso Pena, em Campo Grande.  A avenida ficará interditada durante quatro horas, das 14h às 18h, para que dois grupos saiam em passeata.

Conforme o major do Comando de Policiamento Metropolitano da PM, Edílson José de Oliveira Ramos, o policiamento rotineiro em toda a cidade não será alterado. Isso porque os policiais que participarão do esquema de segurança são o que estarão de folga no dia, ou que trabalham na parte administrativa. “

“Os policiais serão divididos em dois grupos, o que acompanharão o início da manifestação até o final, e o outro que acompanhará as apresentações finais no final da Afonso Pena”, explicou Edílson.

A cavalaria da PM também fará a segurança durante todo o evento. O Batalhão de Choque da Corporaçao também ficará de prontidão caso aconteça um conflito de maior proporção.

O Bptran trabalhará em conjunto com a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e Guarda Municipal, interditando as duas mãos da Afonso Pena, além de coibir infrações de trânsito.

O comandante do Batalhão, tenente-coronel Renato Toletino Alves, disse que tem a expectativa de que a manifestação seja pacífica. “Esperamos que seja um protesto tranquilo como foi das outras vezes. Nossa atenção será redobrada na área central, onde as pessoas pegam os ônibus, para evitar vandalismos”, comentou.

Chegou a ser cogitado a participação de militares do Exército na segurança do protesto, mas foi descartada pelo CMO (Comando Militar do Oeste) e pela PM.

Na tarde desta quinta-feira (10), às 15h, uma reunião será feita no Comando de Policiamento Metropolitano para definir as estratégias do esquema de segurança.

Manifestação

O ato foi planejado pelo grupo Reaja Brasil, uma junção dos grupos Pátria Livre e Movimento Democrático Pró-impeachment, que irá promover o manifesto na Capital. O grupo organiza os protestos contra o governo Dilma desde 2013.

Além de ser a favor do impeachment da presidente da República, o grupo também apoia o juiz Sérgio Fernando Moro, que está a frente dos julgamentos dos crimes identificados na Operação Lava Jato.

Desde sábado (5) os manifestantes estão realizando adesivagens, distribuição de panfletos, com carro de som e participação da banda da Igrejinha, em diversos pontos da cidade. Neste domingo, serão duas passeatas.

Enquanto um grupo sai as 15h da Praça do Radio Clube, no Centro da Capital, até o MPF (Ministério Público Federal), outro sai do Obelisco e se concentra no posto de combustíveis Tereré, e  frente ao Shopping Campo Grande.

Jornal Midiamax