Cotidiano

Professores mantêm manifestações para tentar reduzir prazo de acordo com Prefeito

Às 14 horas haverá uma adesivagem e panfletagem

Midiamax Publicado em 16/03/2016, às 11h39

None
_mg_8707.jpg

Às 14 horas haverá uma adesivagem e panfletagem

Os professores da Reme (Rede Municipal de Ensino de Campo Grande) vão manter as atividades escolares paralisadas, até esta quinta-feira (17), apesar do acordo feito com o prefeito Alcides Bernal (PP), para o cumprimento la lei 5.411/14.

Conforme o presidente da ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), Lucílio Souza Nobre, as atividades grevistas vão continuar, em consonância com a programação da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação). A confederação realiza desde terça-feira (15) até quinta-feira (17) uma série de atividades, junto aos sindicatos de classe, em todo o país exigindo o cumprimento da Lei do Piso Nacional, a não terceirização da educação, parcelamento de salários, entre outras pautas.

Lúcilio explica que ontem (15) a categoria deliberou o acordo dando prazo de 40 dias ao prefeito para apresentar uma proposta de reajuste. Entretanto, eles esperam com as manifestações reduzir esse prazo de 40 para 20 dias.

“A comissão vai estar acompanhando essa tramitação e tentar reduzir o tempo de 40 dias”, diz.

O prefeito pediu prazo até o dia 25 de abril para apresentar os índices dos reajustes. Além disso, teria sugerido suspender a ação que tramita no Tribunal de Justiça sobre a Lei Municipal 5.411/2014 que trata do piso salarial da categoria.

“A assessoria jurídica da ACP e a PGM (Procuradoria Geral do Município) vão juntas solicitar a suspensão da ação e fazer um acordo para que a lei continue valendo e seja cumprida”, esclarece Lucílio.

Professores mantêm manifestações para tentar reduzir prazo de acordo com Prefeito

Os professores querem reajustes equivalentes a 2015 e 2016. A categoria decidiu em assembleia no dia 4 deste mês, que aceita dividir o percentual de 13,01%, relativo a 2015 em duas vezes, desde que a primeira parcela, de 6,505% seja repassada em maio, junto com o reajuste anual de 2016, de 11,36%, ou seja, 17,8% em uma única vez.

Mobilização

Nesta quarta-feira eles preparam uma passeata e adesivagem no quadrilátero central. A passeata começa às 8 horas, na sede da ACP, rua 7 de Setembro quase esquina com a rua Rui Barbosa. Os professores vão andar pela Rui Barbosa até a Afonso Penna, depois descem a avenida até a Rua 14 de 14 de Julho e sobem pela rua Cândido Mariana. Depois vão pegar a rua 13 de Maio até chegar novamente a 7 de Setembro e fechar o percurso.

Às 14 horas haverá uma adesivagem e panfletagem. A manifestação também será no quadrilátero central.

Jornal Midiamax