Falta de leito foi a justificativa 

Mesmo depois de conseguir na Justiça transferência para um Hospital Público, o serralheiro Fernando Brito, de 57 anos, permanece internado desde a última terça-feira (3) no setor de isolamento da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino. O serralheiro foi diagnosticado com suspeita de H1N1.  

Sobrinho do paciente, o fotógrafo Rafael Brites, de 27 anos, conta que por causa do grave estado de saúde do tio, foi solicitado encaminhamento para um hospital. Contudo, a resposta que a família recebeu foi que nenhuma unidade tinha leito disponível para receber Fernando.

Revoltados, o filho do paciente procurou a Defensoria Pública, que depois de analisar o caso, determinou que até as 17 horas deste domingo (8), o Governo do Estado teria que disponibilizar encaminhamento ao serralheiro sob pena de custear atendimento em unidade particular de saúde.

Vencido o prazo, a família relata que Fernando permanece na área de isolamento do UPA Coronel Antonino, sem previsão de transferência. “A gente se sente abandonado. Meu tio está cada vez pior, está no balão de oxigênio, reclama de dores e o que nos resta é somente esperar”, afirma o sobrinho.

Há 20 dias Fernando Brito começou a sentir dores no peito e febre. Na última terça-feira (3) foi internado e, depois de fazer exames, foi diagnosticado com suspeita de H1N1.

A assessoria da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) explicou que depois que é feito o pedido de liberação de leito, a secretaria depende da disponibilidade de vagas das unidades de saúde. Até que haja permissão para transferência, o paciente permanece sob cuidados médicos em período integral.

Até o fechamento desta matéria não conseguimos contato com a secretaria de saúde do Governo do Estado.