Cotidiano

Na despedida, grupo promete dar nome de amiga a futuro assentamento de sem-terra

Campo-grandense morreu vítima de temporal em Brasília

Midiamax Publicado em 27/10/2016, às 14h37

None
lindalvaaaaaa.jpg

Campo-grandense morreu vítima de temporal em Brasília

Lindalva. É com este nome que integrantes do MAF (Movimento da Agricultura Familiar) prometem batizar o tão sonhado assentamento esperado há anos pelo grupo que vive em um acampamento no município de Terenos. A homenagem é dedicada à campo-grandense que morreu no fim da tarde de terça-feira (25). Lindalva da Silva de Souza, de 41 anos, é a única vítima fatal do temporal que deixou outras cinco pessoas feridas no último dia 18, em Brasília (DF). 

Lindalva fazia parte do grupo do MAF que estava acampado na frente da Esplanada do Ministérios. O marido, Jorge Paulo dos Santos, de 42 anos, diz que eles entraram para o movimento há cerca de sete anos para lutarem pelo sonho da mulher, de conseguir uma chácara para a família. 

“Ela pretendia plantar para deixar o lugar para os nossos filhos porque ela queria fazer a obra de Deus”, relata o marido. Ao ser questionado sobre o que será feito a respeito do sonho da esposa, Santos nã hesita em responder: “no momento de perda pude perceber que Jesus é o nosso maior sonho. Eu ainda não sei o que fazer. Deus é quem sabe o que vai acontecer”, declara abraçado aos filhos de 15 e 11 anos.

Edneia Samuel de Araújo, de 33 anos, estava no grupo com Lindalva no dia dia do temporal. O objetivo principal dos acampados era ficar no local até que houvesse resposta sobre 38 áreas cogitadas para que sejam liberadas aos grupos sem-terra, porém, os planos foram interrompidos pela tragédia. 

“Estávamos debaixo da tenda e o tempo mudou do nada. Depois do temporal encontrei a Lindalva debaixo da tenda. Foi uma cena horrível. Vi tudo de perto, não dá para esquecer. Sabemos que fizemos tudo o que podíamos. Agora, vamos lutar pela terra e daremos o nome dela quando conseguirmos o assentamento”, promete.

 Cleber Gellio-Midiamax

Depois de ser atingida por estruturas metálicas da tenta Lindalva foi encaminhada para o HBDF (Hospital de Base do Distrito Federal), onde ficou internada. O óbito foi confirmado por familiares na manhã dessa quarta-feira (26). O corpo chegou em Campo Grande por volta das 22 horas de ontem. 

Até a manhã desta quinta-feira (27) a estimativa é de que mais de 300 pessoas estivessem passado pelo velório e a previsão é de que o número dobre até o fim da manhã. O enterro acontece às 13 horas no Cemitério Monte das Oliveiras, na Avenida Guaicurus, no Jardim Campo Alto.

 Cleber Gellio - Midiamax

Reforma Agrária em MS – Na despedida, grupo promete dar nome de amiga a futuro assentamento de sem-terra

Apesar da promessa de dar o nome de Lindalva ao assentamento, a discussão sobre a reforma agrária foi interrompida por uma investigação a respeito do assunto. Até o momento não se sabe quando novas áreas devem ser liberadas.  

Dados registrados no (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), em Campo Grande, mostram que em Mato Grosso do Sul existem 189 assentamentos e 47 acampamentos cadastrados. Ao todo, 25 mil famílias esperam para que sejam assentadas no Estado.

Jornal Midiamax