Cotidiano

Gripe A já matou 100 pessoas em MS neste ano

Do total de óbitos, 28 ocorreram em Campo Grande

Midiamax Publicado em 28/10/2016, às 21h57

None
vacuna-vs-influenza.jpg

Do total de óbitos, 28 ocorreram em Campo Grande

O número de mortes por gripe A, que inclui os vírus H1N1, H3N2, Influenza B, Influenza "A" não subtipado, divulgado pelo boletim epidemiológico semanal da Influenza divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), em Mato Grosso do Sul chegou a 100. Do total de óbitos, 28 ocorreram em Campo Grande.

De acordo com a publicação, até agora o Lacen (Laboratório Central de MS) separou 3.086 amostras nesta semana e destas, 1049 deram resultado positivo para a doença. No Estado foram 879 para H1N1, três para influenza "A" não subtipado, oito para H3N2 e 159 para influenza B.

O boletim ressalta que em junho foi registrado o maior número de casos confirmados de influenza, com 468 confirmações, quando maio teve 303 e julho 103.

Vale ressaltar, que do total de infectados, 68% fizeram o tratamento com o medicamento oseltamivir, 24% não iniciou o tratamento e 8% não informou. Destes, 44% fizeram o tratamento oportuno, 55% o tratamento tardio e 1% não informou.

A gripe é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza que provoca febre, tosse, dor de garganta, dores no corpo e mal estar. O maior gravidade da infecção pelo vírus influenza são as complicações como pneumonias, dificuldades respiratórias que podem levar à internação e até mesmo ao óbito.

O antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu, está disponível em todo o Estado gratuitamente, e o seu uso no início dos primeiros sintomas da gripe é fundamental para prevenir o agravamento dos casos. Porém, existem critérios pré definidos pelo Protocolo de Tratamento de Influenza que devem ser seguidos.

Atenção aos sintomas: febre, tosse, dor de garganta e dores nas articulações,
musculares ou de cabeça. É fundamental ao apresentar esses sinais, principalmente pacientes com comorbidades, procurar atendimento no início dos sintomas favorecendo o tratamento oportuno (em até 48 horas).

O tratamento pode ser prescrito tanto por médicos do SUS como particulares, com a dispensação, sem custos, garantida pela rede pública.

Uma ação fundamental para diminuir a circulação dos vírus da gripe é a adoção de hábitos simples:
– Higienizar as mãos com frequência;
– Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
– Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
– Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
– Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
– Não partilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;
– Evitar aperto de mãos, abraços e beijo social;
– Reduzir contatos sociais desnecessários e evitar, dentro do possível, ambientes com
aglomeração;
– Evitar visitas a hospitais;
– Ventilar os ambientes.

Jornal Midiamax