Cotidiano

Futuro secretário quer mudar lei que proíbe tapa-buraco diurno e fazer força-tarefa

"Temos milhares de buracos”

Wendy Tonhati Publicado em 15/12/2016, às 15h27

None

"Temos milhares de buracos”

O futuro secretário de obras de Campo Grande, Rudi Fioresi, afirmou que vai tentar modificar a lei municipal que proíbe os serviços de tapa-buraco, durante o dia, nas principais vias de Campo Grande. A informação foi divulgada, na manhã desta quinta-feira (15), durante apresentação dos secretários que vão compor a equipe do prefeito eleito, Marquinhos Trad (PSD).

“Precisamos conversar e rever isso. Porque, em uma situação emergencial como a que estamos agora, é preciso tomar algumas medidas. Em uma situação de normalidade é mais fácil de conduzir, mas, na situação atual, que temos milhares de buracos, acho que o momento é de união e vamos rever essa lei e talvez alterá-la em comum acordo com os vereadores”, explicou Fioresi. 

A lei que proíbe o tapa-buracos nas vias principais de Campo Grande, durante o dia, é alvo de críticas do prefeito Alcides Bernal (PP) também. Ele vetou a lei, mas a Câmara Municipal derrubou o veto. Conforme publicação no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), entre as vias que estão enquadradas neste quesito estão as avenidas: Afonso Pena, Mato Grosso, Fernando Corrêa da Costa, Ernesto Geisel, Eduardo Elias Zahran, Costa e Silva, Calógeras, Júlio de Castilhos e Três Barras.

De acordo com o futuro secretário, o primeiro objetivo à frente da secretaria, será uma força tarefa para eliminar a ‘buracolândia’, por meio do trabalho dioturno, ou seja, durante o dia e noite. 

“Paralelamente a isso, vamos fazer uma análise dos contratos. São 175 contratos de obras que a Seinthra (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) tem de modo geral. Alguns em andamento e alguns parados. Então vamos analisar um a um, tanto no aspecto financeiro, quanto na viabilidade técnica e a a partir daí, vamos priorizá-los e dar andamento”, afirmou. 

Fioresi ainda destacou que na situação atual do Município, o tapa-buracos também é um gerador de empregos. “Até porque, na execução de obras, além das melhorias ao Município, também é um gerador de empregos e, nós estamos em situação de muito desemprego”, finalizou. 

Jornal Midiamax