Cotidiano

Fórum com mais de 100 líderes e caciques discute saúde indígena no Estado

Além da saúde, foi discutido a eleição do CNP

Midiamax Publicado em 02/04/2016, às 21h15

None
1481a932-b6a2-4515-a035-0d22e7a313e7.jpg

Além da saúde, foi discutido a eleição do CNP

O 3º Fórum dos Caciques de Mato Grosso do Sul, que aconteceu neste sábado (2), na Aldeia Aldeinha em Anastácio, município a 134 quilômetros de Campo Grande, reuniu quase 100 lideranças entre caciques, capitães da região sul e norte do Estado, professores e acadêmicos, para discutir políticas públicas e saúde para o povo indígena.

Além da saúde, três assuntos também foram discutidos nda reunião, que são:  a preocupação dos indígenas, com a nova gestão de Rodrigo Rodrigues na SESAI (Secretaria Especial de Saúde Indígena), eleição classificada como sem legitimidade, do CNPI (Conselho Nacional de Políticas Indigenista) e o corte no funcionalismo federal como forma de redução dos gastos, que atinge diretamente a FUNAI (Fundação Nacional do Índio (Funai)).

O cacique Enéias Campos da Silva, que recebeu as lideranças do Estado, na Aldeia Aldeinha, elogiou a atual foram como a saúde tem atendido o povo indígena, mas acredita que pode melhorar.  “Não vou dizer que a saúde está 100%, mas avançou e chegou aos 60%. Estamos na luta para que melhore mais, e inclusive em busca de parceria com a Sesai”, disse.

Para o capitão Kaiowá Guarani Jorge Gomes, de Bela Vista, município a 324 quilômetros de Campo Grande, que foi à reunião junto com outras 20 lideranças da região sul, a discussão foi proveitosa e pontuou que sem saúde nada pode ser feito, inclusive na agricultura e demarcação de terras.

Ainda de acordo com o Fórum, com os cortes, mais de 100 exonerações ocorreram na FUNAI colocando em risco a extinção das CTL (Coordenação Técnica Local).

A partir de semana que vem, uma comissão com mais de 45 lideranças deve seguir à Brasília para discutir os três assuntos.

Jornal Midiamax