Cotidiano

Contra demissões, contratados via Seleta e Omep acampam em frente ao Fórum

Justiça determinou suspensão de todos os contratos   

Midiamax Publicado em 19/12/2016, às 23h14

None
acampamento2.jpg

Justiça determinou suspensão de todos os contratos 

Um grupo, com aproximadamente 10 pessoas, montou acampamento em frente ao Fórum de Campo Grande no fim da tarde desta segunda-feira (19). São funcionários contratados pelos convênios Omep e Seleta, que, incertos sobre rescisão trabalhista determinada pela Justiça, protestam até um acerto oficial ou a garantia dos trabalhos de volta. Eles garantem que não deixarão o local, mesmo se chover.

Um dos acampados armou uma rede, usando uma placa de sinalização e um poste localizado em frente ao prédio. Outras duas barracas já foram montadas e os manifestantes afirmam que a expectativa é reunir pelo menos 50 servidores no local.

Jhone Santos Oliveira, de 25 anos, por exemplo, explica que foi contratado há cerca de um ano e meio para trabalhar no Cetremi (Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante). Ele deixou a função após decisão judicial e ainda aguarda respostas sobre seu acerto. “O pessoal está em clima de completa insegurança, não temos resposta de nenhuma entidade, nem da Seleta, nem da Omep. A Omep fechou as portas hoje e sequer atendem o telefone”, disse.

Os manifestantes explicaram ainda que estão consultando um corpo jurídico, como segunda alternativa. Caso não revertam as demissões na Justiça, querem ao menos garantir o pagamento dos dias trabalhados. Questionado se uma chuva poderia desanimar o grupo, Jhone garantiu que não irão sair do local. “O que mais preocupa são as contas para pagar e a questão dos usuários destes serviços. Se for preciso tomar chuva, nós vamos tomar”, afimou.

O grupo foi organizado através do aplicativo Whatsapp e pretende se manter com ajuda coletiva dos membros. Para passar a primeira noite, alguns levaram pães, biscoitos, café, água e refrigerantes. Segundo os manifestantes, todos estão participando e colaborando de alguma forma.

A atendente da SAS (Secretaria de Assistência Social), Elenir Sanabri, de 53 anos, também aderiu a causa. Ela, inclusive, levou a família para apoiar o movimento, explicando que trabalhou por 20 anos no órgão e que teme não arrumar outro emprego, por causa da sua idade. “Preciso receber o que tenho para receber. Tenho 20 anos na mesma secretaria”, disse, acompanhada do filho e da nora. Os manifestantes alegam ainda que não há dia certo para deixar o acampamento. 

Demissões – A Prefeitura de Campo Grande informou na última sexta-feira (16), por nota oficial, que ainda não havia sido notificada da decisão judicial que extingue os convênios com a Omep (Organização Mundial Para Educação Pré-Escolar) e a Seleta (Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária), mas garantiu que assim que for notificada, demitirá todos os 4,3 mil terceirizados.

“Diante da decisão, assim que notificada, a administração municipal cumprirá as determinações judiciais e a procuradoria jurídica do município tomará as medidas cabíveis para a segurança e garantia dos direitos das crianças e a estabilidade do serviço público, frisando que tem total confiança no poder Judiciário e no Ministério Público Estadual e seus membros”, diz a nota. 

Os funcionários poderão ser demitidos sem o acerto imediato dos salários, devido ao caixa atual da Prefeitura, que ainda não informou quando deverá pagar o 13º dos servidores efetivos. A Prefeitura ainda analisa como deverão ser feitas as demissões.  Nesta segunda (19), o prefeito Alcides Bernal (PP) informou que entrou com recurso judicial contra demissão de todos os servidores, e sinalizou que terá alguma resposta judicial nesta terça (20). 

Jornal Midiamax