Governo diz que peixes fazem controle

Alvo de atraso na entrega das obras, disputas entre o Governo do Estado e empreiteira e com mais de R$ 175 milhões pagos, a construção do Aquário do Pantanal, localizado nos altos da Avenida Afonso Pena, tem preocupado a população por causa do acúmulo de água parada nos tanques, destinados aos peixes, propício à procriação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Contudo, o Governo do Estado afirma que não há motivo para preocupação, já que peixes que estão têm feito o controle biológico.

Em nota, a Seinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura) disse que o fato de haver água “não é sinal de que larvas estejam se proliferando, uma vez que os peixes continuam nos tanques realizando controle biológico”.

Imagem aéreas enviadas por um leitor mostram sete tanques da construção tomados por uma água esverdeada e parada. Na foto é possível ver que não há cobertura que impeça a entrada de água da chuva no local.

A Seinfra também informou que os serviços de manutenção nos tanques permanecem e que o tom esverdeado da água é por causa da sujeira, resultado das últimas chuvas.

Mesmo não havendo motivos para alvoroço, o acúmulo de água parada ainda preocupa, já que dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde) revelam que somente este ano, foram notificados 55. 499 casos de dengue em Mato Grosso do Sul. Além disso, diversos municípios decretaram situação de emergência em meio a inúmeras campanhas contra o acúmulo de água limpa e parada.

O aquário

O Aquário do Pantanal foi lançado em 2011 na gestão do ex-governador André Puccinelli (PMDB). As obras começaram no mesmo ano e o primeiro prazo para a inauguração foi outubro de 2013, em seguida adiado para outubro de 2014 e depois dezembro de 2014. Mesmo com os adiamentos, a obra não foi concluída.

No dia 16 de fevereiro de 2015 a construção foi paralisada depois de um empasse entre o Governo e a Egelte, empresa responsável pela obra. Por causa disso, foi preciso que o Poder Judiciário intervisse, determinando no dia 17 de março deste ano que a Egelte, concluísse o trabalho em até 14 meses. As obras foram retomadas no dia 4 de maio.

Até o momento já foram investidos R$ 200 milhões na construção do aquário. Destes, R$ 175 milhões já foram pagos.