Cotidiano

Com bermudas rasgando, qualidade dos uniformes da REME é questionada pelas mães

Uniformes foram feitos no Paraguai

Clayton Neves Publicado em 28/06/2016, às 13h45

None
bf6854ad-d1b4-4979-a379-2c1e8632d57b.jpg

Uniformes foram feitos no Paraguai

Depois de aguardar a entrega dos uniformes escolares por quase seis meses, mães de alunos da Reme (Rede Municipal de Ensino) se dizem insatisfeitas com o material e acabamento das peças disponibilizadas pela Prefeitura de Campo Grande.

Em denúncia ao Jornal Midiamax, um grupo de mães que não quiseram se identificar afirma que o tecido das duas camisetas e do short entregues aos estudantes é de baixa qualidade e que a costura não foi bem finalizada, algumas se desfazendo no mesmo dia. Além disso, elas relatam que o tamanho das camisetas não atende a todos os alunos, por esse motivo, pais se dizem obrigados a gastar dinheiro para que costureiros ajustem as peças.

“Na primeira lavada a camiseta já encheu de bolinhas. A qualidade da bermuda é péssima. Se uma criança for fazer Educação Física com ela provavelmente vai rasgar”, disse uma das mães.

Em resposta, a Prefeitura disse que no edital de aquisição dos uniformes foram previstos padrões de qualidade dos produtos que seriam adquiridos e em uma das fases, as empresas, de forma pública, apresentaram as amostras para garantir que a qualidade exigida seria cumprida. Desta forma venceu a empresa que ofereceu a melhor qualidade e menor preço.

Made in Paraguai

Outro ponto questionado pelas mães e que tem gerado especulações em torno dos uniformes escolares é o fato de que as etiquetas das camisetas entregues aos alunos indicam que as peças foram produzidas no Paraguai. A equipe de reportagem questionou sobre a origem dos uniformes à Prefeitura e às empresas, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Jornal Midiamax