Cotidiano

Chuva abre cratera no Nova Lima, 8 meses após temporal levar asfalto

Rua Jerônimo é novamente prejudicada pela chuva

Midiamax Publicado em 23/10/2016, às 19h15

None
14795954_10211051700827690_823655888_o.jpg

Rua Jerônimo é novamente prejudicada pela chuva

O problema da Rua Jerônimo de Albuquerque, do Bairro Nova Lima em Campo Grande, continua. Em fevereiro uma chuva de 40 minutos levou o asfalto da rua, e após a chuva da tarde deste domingo (23) uma cratera se formou na esquina.

O buraco, de 3,5 metros de largura, 5 metros de comprimento e 1,20 de profundidade, segundo a Defesa Civil, tomou conta do cruzamento após a chuva da tarde deste domingo (22). "O desmoranamento aconteceu porque rompeu a tubulação de água fluvial, e o solo estava encharcado", explica o coordenador  Valmir Barbosa Lima.

O Corpo de Bombeiros também esteve no local, mas não foi necessário atendimento médico, uma vez que ninguém passava no local.

"Eu estava em casa, e quando a chuva passou sai e vi o buraco no meio da rua. Até então tava pequeno, mas foi desmoranando a terra aos poucos", afirma Sergio Gomes dos Santos, 47, qe trabalha com serviços gerais.

Ainda de acordo com a Defesa Civil, a Águas Guariroba foi acionada para fazer o reparo na tubulação de esgoto. O cruzamanento das ruas foi interditado.

O incidente acontece após oito meses de um temporal levar o asfalto da rua. Na época, alguns veículos chegaram a atolar por causa do barro.

Problemas antigos

E os problemas não são novidades. Em 2011, um cratera se abriu na Avenida Marquês de Herval, próxima à rua Jerônimo de Albuquerque. O então prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) chegou a assinar o decreto 11.658, publicado no Diogrande, declarando situação de emergência nas imediações da erosão localizada na rua Marquês de Herval.

A avenida foi construída pela prefeitura de Campo Grande, na gestão comandada por André Puccinelli, sob o comando de seu secretário de Obras, Edson Giroto.

Os moradores sofrem até hoje com a obra que não consegue drenar a água da chuva. Segundo eles, as bocas de lobo da drenagem não dão conta de escoar a enorme enxurrada que desce das ruas arenosas, em uma região nitidamente em declive.

Jornal Midiamax