Cotidiano

Catadores liberam rodovia e criam comissão para tratar reivindicações

Grupo vai participar de reunião com MPT

Midiamax Publicado em 06/09/2016, às 15h52

None
bfdd697c-e326-454b-970c-8a0d669d0fe9.jpg

Grupo vai participar de reunião com MPT

Após a chegada do procurador do MPT (Ministério Público do Trabalho) Paulo Douglas, os catadores que fecharam o trecho da BR-262, na manhã desta terça-feira (6) liberaram a rodovia. Eles fizeram uma lista de reclamações que serão apresentadas durante reunião na próxima quinta-feira (8).

No início da manhã, manifestantes, que em fevereiro de 2016 foram impedidos de trabalhar na 'área de transição', localizada entre os aterros sanitários Dom Antônio Barbosa I e Dom Antônio Barbosa II, usam galhos e pneus para bloquearem a rodovia, próximo da entrada da UTR (Usina de Triagem de Resíduos), e do lixão, na região sul da cidade e exigiram a presença de um representante do MPT.

Com a chegada do procurador e a pedido da PRF (Polícia Rodoviária Federal) os catadores liberaram a rodovia. Uma comissão foi criada para apresentar as reivindicações, sugestões de melhorias e reclamações da categoria.
Os manifestante reclamam de abandono. 

De acordo com os manifestantes, desde que o acesso ao aterro foi proibido, cerca de 300 trabalhadores ficaram desempregados. Eles alegam falta de material e de condições de trabalho até mesmo dentro da UTR, que conforme os relatos, recebem materiais hospitalares como agulhas e seringas, além de outros materiais não recicláveis.

Os manifestantes afirmam também que a Solurb está descumprindo a lei que trata sobre o descarte de resíduos sólidos, jogando lixo diretamente na natureza e  reclamam de demissão dentro das cooperativas. Segundo eles, os desligamentos estão ligados à suposta negociação de venda da Solurb a uma multinacional. 

O procurador Paulo Douglas, por sua vez, diz que foi informado de que a manifestação foi realizada por conta das demissões. De acordo com ele, um levantamento sobre o assunto, constatou que 26 pessoas foram demitidas a e a situação é averiguada pelo MPT, considerando que há um acordo com a Solurb a respeito de desligamentos dos catadores.  

"Soubemos que 26 pessoas foram dispensadas e 11 delas sem justa causa. Estamos averiguando e já temos audiência marcada com a Solurb para discutir isso", declara. a conversa com os catadores demorou aproximadamente uma hora. 
As reclamações e reivindicações serão apresentadas pela comissão de catadores nesta quinta-feira, às 14 horas. Também participam da reunião, representantes da Solurb, Prefeitura e MPE (Ministério Público Estadual).

Jornal Midiamax