Cotidiano

Calorão na primeira semana do horário de verão amplia reclamações

Exaustão, dificuldade para dormir e comer

Ana Paula Chuva Publicado em 20/10/2016, às 19h28

None
_mg_4463.jpg

Exaustão, dificuldade para dormir e comer

Se para acostumar com o horário de verão é difícil, o calor intenso feito na primeira semana da mudança complica ainda mais a fase de adaptação.  As altas temperaturas têm exigido das pessoas mudanças de hábitos dentre elas, passar mais tempo fora de casa e procurar por lugares arejados em parques e praças.

A dificuldade para dormir no período tem atrapalhado a rotina da vendedora de sorvetes Diná Campos, 54 anos.  “Para as vendas o período é muito bom, aumenta a procura pela minha mercadoria. Mas a minha rotina pessoal mudou para pior. Na hora de dormir ta muito quente, preciso me ‘virar nos 30’ pra conseguir dormir. Faço muito uso do ar condicionado, tomo muitos banhos”, contou.

O cansaço e a exaustão durante o dia também são reclamações do período. “Sinto muito cansaço e fico exausto durante o dia, coisa que não acontece em outro período. Para dormir também é bem difícil, preciso manter a janela aberta e uso muito o ventilador”, disse Carlos Amorim, 21 anos, estudante.

Para a diarista Lídia Mendes da Silva, 45 anos o calor atrapalha mesmo na hora de dormir, mas ela conta que nos lugares em que ela trabalha a mudança de horário associada ao calor trouxe mudanças para os hábitos alimentares. “Eu observei a mudança no horário de comer por conta da uma hora de diferença e também vejo muito a mudança no tipo de alimentos que eles consomem. Eles evitam as comidas mais pesadas’, afirmou.

Praticar exercícios também ficou difícil, de acordo com Aparecido de Jesus, 65 anos, aposentado. ‘Gosto desse horário, mas o calor tem me feito mal. Eu preciso evitar muito o período de sol e faço meus exercícios, caminhada e academia ao ar livrem em horários alternativos, ou muito cedo antes do sol aparecer, ou muito tarde depois que ele se põe”, concluiu. 

Jornal Midiamax