Cotidiano

Bernal diz que está trabalhando para não rescindir contrato com Omep e Seleta

Juiz determinou demissões no próximo ano

Midiamax Publicado em 21/10/2016, às 14h50

None
bernal_21-10-2016_-_cleber_gellio_-_midiamax.jpg

Juiz determinou demissões no próximo ano

Durante agenda pública realizada na manhã desta sexta-feira (21), o prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP), afirmou estar trabalhando para não rescindir contrato com trabalhadores contratados por meio de convênios com a Omep (Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar) e Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária).

No dia 29 de agosto o juiz David de Oliveira Gomes Filho deu mais seis meses para que a Prefeitura cumpra cada prazo estipulado para as 4.300 demissões de terceirizados de ambas as entidades.

Com a determinação o próximo chefe do Executivo, que será definido no segundo turno das eleições municipais, no dia 30 de outubro, ficará responsável por cumprir a determinação que pede a demissão de 40% dos trabalhadores até 5 de março. O restante será demitido até 31 de julho de 2017. 

Em julho de 2016, a Prefeitura anunciou exoneração de 213 pessoas, sem reposição pessoal, o que não ocorreu. Também foi divulgado que outros 36 nomes sairiam das entidades entre o dia 11 de julho e 11 de agosto, porém, as demissões não foram concretizadas. 

Bernal diz que está trabalhando para não rescindir contrato com Omep e SeletaNesta manhã, Bernal afirmou estar trabalhando para que não haja rescisões. "Estamos trabalhando de tal modo que não haja necessidade de fazer rescisão com esses trabalhadores", disse ao ser questionamento sobre a suplementação que tramita na Câmara Municipal a fim de garantir o pagamento dos terceirizados.

IPTU

O prefeito também aproveitou a agenda de sorteio e entrega de prêmios, de contribuintes com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) em dia, para dizer que o tributo não terá aumento.

Bernal garante de que seguirá o Segundo o cálculo do IPCA-E (Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial). A correção de 8,78% para o próximo ano é menor que os 9,57% aplicados em 2016.

Jornal Midiamax