Cotidiano

Após uma semana, bebê de dois meses internado com suspeita de H1N1 recebe alta

O irmão gêmeo dele continua internado, mas apresenta melhoras

Gerciane Alves Publicado em 28/06/2016, às 17h48

None
santa_casa1.jpg

O irmão gêmeo dele continua internado, mas apresenta melhoras

O pequeno Benjamim, de dois meses deixou a Santa Casa de Campo Grande na manhã desta terça-feira (28). Com suspeita de estar com H1N1 o bebê foi internado no dia 20 de junho junto com o irmão gêmeo Bernardo, mas hoje recebeu alta. Bernardo continua em observação no CTI (Centro de Tratamento Intensivo), mas já com previsão de ser transferido para o quarto.

Em sua página pessoal no Facebook, a mãe dos gêmeos, Thaays Delmondes, publicou uma mensagem agradecendo a todas as pessoas que de alguma forma acompanharam e ajudaram a família durante a internação dos bebês. Ela lembrou que depois que pediu ajuda através de uma postagem no Facebook muita pessoas se prontificaram a ajudar.

“Bom gente quero agradecer a todos pelas ajudas, testemunhos, orações. Como eu disse no meu primeiro post pedido "socorro" ‪#‎Uniãofazaforça ‬[…] Vi o quanto ainda tem pessoas boas nesse mundo, mesmo não conhecendo a gente, queria ajudar de alguma forma e é nessas horas que podemos ver os amigos de verdade”, diz na publicação.

De acordo com a assessoria da Santa Casa de Campo Grande, Bernardo continuará internado, mas já respira sem ajuda de aparelhos e tem previsão de ser transferido para o quarto. “Ele melhorou muito, foi desentubado e aguarda alta para o quarto”, diz a assessoria que ainda acrescenta que a suspeita de H1N1 foi totalmente descartada após exames.

Benjamim continuará o tratamento em casa e por causa de toda a repercussão do caso a mãe das crianças deixou claro em sue post que faz questão que todos aqueles envolvidos no caso possam vê-los, mas pede paciência já que o bebê ainda não está totalmente recuperado.

“Sei que todos querem poder conhecer os príncipes Bernardo & Benjamim, mais peço a todos que tenham CALMA, pois eles ainda vão tomar os medicamentos em casa por mais 15 dias, pois a imunidade deles ainda não é 100% pelo fato de serem BEBÊS. Eu faço questão de apresentar eles nas igrejas e agradecer pessoalmente a Deus, mas eles precisam evitar aglomerações. Sei que todos vão entender, é pela recuperação completa deles”, conclui o post.

Jornal Midiamax