Cotidiano

Tráfico de animais silvestres tira 38 milhões de espécies da natureza

Atividade ilegal gera lucro de US$ 2,5 milhões por ano, no país

Kemila Pellin Publicado em 13/07/2015, às 19h19

None
passaros_cg_pma_7_de_julho_2015.jpg

Atividade ilegal gera lucro de US$ 2,5 milhões por ano, no país

O tráfico de animais silvestres é considerado a terceira maior atividade ilícita praticada no mundo, perdendo apenas para o tráfico de armas e de drogas. No Brasil, estimasse que a atividade movimento quase US$ 2,5 milhões.

Na semana passada a Polícia Militar Ambiental (PMA) realizou uma série de apreensões envolvendo aves silvestres. No dia 7, a um homem foi preso em bairro da Capital, por manter em cativeiro 18 canários-da-terra, dois curiós e dois sabiás. A multa aplicada foi de R$ 9 mil. Dois dias depois, na cidade de Rio Brilhante, um homem de 36 anos foi preso transportando três Pintassilgos, um Papa-Capim, um Coleirinha e um Galo-de-Campina. Ele foi autuado pelo crime ambiental e multado em R$ 3 mil. Se condenados, poderão pegar pena de seis meses a um ano de detenção.

Os animais recuperados na segunda apreensão foram levados para um centro de reabilitação para que fossem avaliados por biólogos e devolvidos ao seu habitat natural. “Felizmente estes bichos foram salvos antes de serem vendidos ilegalmente. Mas, lamentavelmente, estima-se que cerca de 38 milhões de exemplares são retirados da natureza e comercializados no Brasil, por ano”, diz Eliézer José Marques, presidente do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul).

As aves são justamento os animais silvestres mais capturados para o comércio ilegal no nosso país. Os psitacídeos(papagaios e periquitos) lideram essa lista. “As pessoas gostam muitos dessas espécies por elas terem a capacidade de reproduzir o que falamos. Mas, por mais que a intenção seja de cuidar bem do animal, as pessoas precisam ter consciência de que adotá-las como bicho de estimação pode causar sofrimento a elas. Por solidão, espaço físico reduzido, alimentação inadequada, dificuldade de reprodução. Além do risco de pegar alguma doença que não oferece sério risco à saúde dos homens mas que pode ser fatal aos bichos, como uma simples gripe”, alerta o biólogo.

O comércio ilegal de animais silvestres é crime ambiental (Lei nº 9.605/98), e quem for pego cometendo este tipo de delito por ser condenado a  prisão de seis meses a um ano, além do pagamento de multa. 

Jornal Midiamax