Cotidiano

Temporal derruba placas para conter erosão e aumenta buraco na Ernesto Geisel

Prefeitura trabalha no local, onde moradores improvisam sinalização preventiva

Thatiana Melo Publicado em 09/01/2015, às 12h51

None
img-20150109-wa0046.jpg

Prefeitura trabalha no local, onde moradores improvisam sinalização preventiva

As fortes chuvas que atingiram Campo Grande na tarde de quinta-feira (8) aumentaram o tamanho de buraco formado na Avenida Ernesto Geisel, que margeia o rio Anhanduí, na região do Taquarussu, sul da cidade. Placas de concreto colocadas para conter o desmoronamento não resistiram.

Mesmo com a chuva, a Prefeitura garante que manterá obras de recuperação da área, retomadas também ontem. A previsão é de que o trabalho termine dentro de 25 dias.

Além do buraco, falta sinalização no trecho, o que gera reclamações por parte de moradores – a avenida é campeã no número de acidentes. A cuidadora Rosa Neris Campos, de 41 anos, diz que por três vezes veículos já atingiram sua residência: “e ninguém arca com o prejuízo, que acaba ficando com a gente”, diz ela. “O mais grave aconteceu do veículo entrar pelo meu quintal atravessar o muro e ir parar na sala da minha vizinha atingindo as crianças”, completa a moradora.

Ainda segundo Rosa, os moradores já chegaram a colocar cones de madeira em frente às residências para que os carros não atingissem as casas. O auxiliar de serviços gerais Amélio de Miranda, de 61 anos, também reclama do perigo da erosão e da falta de sinalização “É fora do comum esse buraco, em vez de gastar dinheiro com aquário, deveriam dar prioridade para o que é importante”, analisa.

O término das obras, segundo a Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) deve seguir o cronograma e ser entregue em 25 dias. A reportagem foi até o local, na manhã desta sexta-feira (9), e constatou que há homens trabalhando na recuperação da via.

Outros trechos da avenida estão em obras com verbas do governo federal, através do PAC 2. De acordo com a fonte oficial, a Prefeitura está aguardando retorno da Caixa Econômica Federal para dar continuidade ao projeto.

Jornal Midiamax