Cotidiano

Servidores insistem e querem que governo dê reajuste da inflação

Servidores não aceitam que aumento de 12% foi adiantamento da data-base

Midiamax Publicado em 21/05/2015, às 21h56

None
img-20150520-wa0122.jpg

Servidores não aceitam que aumento de 12% foi adiantamento da data-base

Os servidores do Governo Estadual vão se reunir na manhã desta sexta-feira (22) com o chefe executivo estadual, Reinaldo Azambuja. No inicio da manhã representantes da Fersep-MS (Federação Sindical dos Servidores Públicos Municipais e Estaduais de Mato Grosso do Sul) e em outra reunião com os representantes do Fórum de Servidores Públicos de Mato Grosso do Sul. Os sindicatos esperam que o governo realize a reposição da inflação dos últimos 12 meses, de 8,12%.

Entre os representantes está o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em educação), Roberto Botarelli. “Vamos participar, pois os servidores administrativos também estarão lá”, diz. Nesta quinta-feira (21) a categoria discute em assembléia a proposta apresentada nessa quarta-feira (20) pelo Executivo estadual, onde foi apresentado reajuste salarial de 4.37% para o mês de outubro.

O presidente do Sinder (Sindicato dos Trabalhadores do Dersul/Agesul), Ademar Castilho, afirmou que a categoria espera um encaminhamento de pelo menos a reposição da inflação, já que os servidores não entendem que o aumento de 12% dado em dezembro de 2014 pelo ex-governador André Puccinelli foi um adiantamento da data-base.

“A gente vai ouvir a proposta dele, vamos esperar para vê e depois nos reunimos em assembléia. O que o mínimo que a gente aceita é 8,12%”.

De acordo com o presidente do Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de MS), André Santiago, o que os membros do Fórum esperam é uma reunião com o governador e não com o secretariado. As reuniões de quarta-feira (20) foram mediadas pelo secretário de governo, Eduardo Riedel.

“Nós queremos falar diretamente com o governador. A reunião será composta ainda por uma comissão da Assembléia Legislativa”, concluiu. 

Jornal Midiamax