Reunião com representantes de Brasília pode pôr fim à ocupação do Incra

Promessa é de que o encontro seja nesta quarta-feira
| 17/07/2015
- 15:53
Reunião com representantes de Brasília pode pôr fim à ocupação do Incra

Promessa é de que o encontro seja nesta quarta-feira

A promessa de uma reunião com representantes do (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), de Brasília, na próxima quarta-feira (22), pode pôr fim à ocupação da sede do instituto localizado no Shopping Marrakech em Campo Grande. A estimativa é de que ao menos 500 famílias de diferentes municípios do Estado estejam acampadas no local.

O prédio foi ocupado nessa quinta-feira (16), por aproximadamente 300 famílias que pertencem a quatro movimentos sociais, MAC (Movimento da Agricultura Camponesa), MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), MAF (Movimento da Agricultura Familiar) e MTR (Movimento dos Trabalhadores Rurais).

Em maio deste ano, mais de 500 pessoas ocuparam o prédio. Na ocasião o grupo aceitou deixar o local depois de agendar uma reunião com representantes de Brasília. O encontro estava marcado para a última quarta-feira (15), o que não ocorreu, como explica o representante do MAC, Claudinei Monteiro.

“Eles não vieram e não deram nenhuma satisfação. Agora só sairemos daqui se tivermos algum posicionamento deles”, justifica. O superintendente regional do Incra,  Sidney Ferreira de Almeida, afirma que o movimento é pacífico e que o prédio pode ser desocupado ainda hoje.

“Ontem à tarde tivemos uma reunião e eles disseram que a ocupação foi motivada por conta da alteração da agenda do Incra nacional. Está prevista uma nova reunião para a próxima quarta-feira. Acredito que com isso o prédio será desocupado. Eles ainda vão se reunir e decidir”, frisa.

Além da reunião, os manifestantes destacam que 30 mil famílias do Estado aguardam para que sejam assentadas. O grupo diz ainda que o Assentamento Nazaré, que conta com oito mil hectares e desde o ano de 2013 abriga 171 famílias, foi o último a ser liberado pelo Incra.

O superintendente do instituto, por sua vez, afirma que 25 mil famílias cadastradas aguardam para que sejam assentadas e que por um problema no sistema, que deve ser liberado apenas no em agosto, não é possível informar o número de pessoas ainda não cadastradas.

Veja também

Últimas notícias