Cotidiano

Protestos e bloqueios de caminhoneiros ainda não chegaram a MS, diz PRF

Diversas rodovias brasileiras já foram bloqueadas

Wendy Tonhati Publicado em 09/11/2015, às 11h11

None
br-060_0.jpg

Diversas rodovias brasileiras já foram bloqueadas

Os caminhoneiros começaram na manhã desta segunda-feira (9) um protesto contra o governo da presidente Dilma Rousseff. A categoria bloqueou diversas rodovias federais pelo Brasil. De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal) até o fechamento deste texto, não havia interdições em rodovias federais do Estado.

Conforme o Sindicam – MS (Sindicato dos Caminhoneiros de Mato Grosso do Sul) não há previsão de fechamento de rodovias em Mato Grosso do Sul. A orientação para os motoristas é de que evitem seguir para Minas Gerais, São Paulo e Paraná, "Porque vão enfrentar pedreira. A nossa orientação é: fica em casa e vai descansar", diz o presidente do sindicato Osny Bellinati.

A greve está sendo comandada pelo CNT (Comando Nacional dos Transportes), movimento que surgiu na internet e que não está ligado aos sindicatos dos caminhoneiros. De acordo com a página do CNT no Facebook, até o momento, há bloqueios em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Goiás.

Esta é a segunda greve de caminhoneiros no ano: a primeira ocorreu em fevereiro e as interdições em rodovias prosseguiram até abril. Na época dos primeiros protestos, os caminhoneiros do Estado aderiram à greve. 

De acordo com informações da página do CNT, na época, o governo se dispôs a levar em consideração todas as solicitações, mas muitas foram vetadas posteriormente. Entre as reivindicações do movimento estão a redução do valor do diesel, tabelamento do preço de fretes e refinanciamento de dívidas bancárias, salário unificado em todo o país e criação de uma tabela com valor mínimo de frete.

Os organizadores esperam 70% de adesão da categoria. A estimativa é de que haja mais de 2,5 milhões de caminhoneiros em todo o país.

Jornal Midiamax