Cotidiano

Protesto de sem-terra deixa 5 quilômetros congestionados em MS

Mais de 200 manifestantes bloqueiam BR-262

Thatiana Melo Publicado em 20/05/2015, às 13h59

None
img-20150520-wa0086.jpg

Mais de 200 manifestantes bloqueiam BR-262

Motoristas parados na BR-262, que liga Campo Grande a Terenos reclamam de bloqueio feito pelos movimentos MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), e Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Mato Grosso do Sul), na manhã desta quarta-feira (20), que já passa de mais de cinco quilômetros de congestionamento.

“Deveria estar de volta a Campo Grande às 11 horas da manhã, agora com esta paralisação não vou conseguir. Atrasa tudo”, reclama Claudemir Ferreira, de 36 anos. A Empresária Elianor Coelho, de 57 anos estava a mais de uma hora parada no bloqueio. “Nós que trabalhamos e temos compromisso que temos que ficar esperando, não sei por que a polícia não faz nada”, fala a empresária.

 O caminhoneiro Ubirajara Moreira mesmo há 3 horas parado no bloqueio afirmou que não tem outro jeito a não ser esperar. “Agora é esperar, não tem o que fazer”, diz.

 Segundo Douglas Cavalheiro, de 35 anos, coordenador estadual do movimento não existe previsão para que as rodovias sejam liberadas pelos manifestantes. “Não obtivemos nenhuma resposta da direção nacional, só tivemos resultados negativos”, ressalta Douglas que afirmou que o acordo depois da desocupação do prédio do Incra, no dia 8 de maio, é que a direção nacional viria para o Estado para negociação do novo nome do superintendente estadual, o que não aconteceu.

As rodovias bloqueadas são a BR-163 fazenda Nazaré, BR-163 entre Japorã e Mundo Novo, e trecho de Itaquiraí sentido Paraná. De acordo com Douglas não há previsão para que as rodovias sejam liberadas.

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), uma negociação para que a cada 40 minutos as pistas sejam liberadas por 10 minutos para a passagem dos veículos foi negociada com o movimento. Mas, a polícia faz um alerta para que os motoristas evitem estes trechos das rodovias até que a situação seja normalizada.

Jornal Midiamax