Cotidiano

Proposta para encerrar greve será apresentada em Assembleia da Adufms

Mesmo assim, não há previsão de data para retorno, aponta presidente

Midiamax Publicado em 30/09/2015, às 17h45

None
adufms_-_diogo_goncalves.jpg

Mesmo assim, não há previsão de data para retorno, aponta presidente

Assembleia marcada para a tarde desta quarta-feira (30), na Adufms (Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) discutirá possível fim da greve dos professores e administrativos. Segundo o presidente da Adufms, José Carlos da Silva, será apresentada proposta para a categoria de acabar com a paralisação e seguir negociando. Entretanto, mesmo se a proposta for aceita, não há previsão de quando a greve terá fim.

Os professores e servidores administrativos da UFMS estão em greve desde 15 de junho. De lá para cá, tentam junto de universidades federais de todo o país, negociar reajuste com o Governo Federal.

“Mais de 100 dias de greve e o governo não sinalizou conversa, foram intransigentes. Evitaram negociação. Apostaram no desgaste”, aponta José. E por ora parecem estar vencendo. Segundo o presidente da Adufms, já existem universidades querendo encerrar a greve por conta do longo tempo parado, que prejudica alunos e professores.

José frisou que mesmo se a categoria aceite encerrar a paralisação, as negociações continuarão. “A proposta ainda não contempla o que querem os professores e servidores”.

No início, 1.320 professores e três mil administrativos reivindicavam reajuste de 27% e reestruturação da carreira com progressão funcional de índice de 5% entre um nível profissional e outro, no entanto, com o decorrer das negociações, a categoria encaminhou uma contraproposta de 19.7%, que foi rejeitada.

Segundo o presidente da Adufms, o reajuste oferecido pelo governo Federal está abaixo da inflação. “O governo federal ofereceu 5,5% para agosto de 2016 e outros 5% para janeiro de 2017”, afirma.

A expectativa da categoria está em uma reunião marcada para a próxima segunda-feira (5), em Brasília, entre o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro e o ministro de Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa.

“O ministro de Planejamento oficializou para o comando nacional de greve que vai alterar a proposta de reajuste. Queremos saber o posicionamento do ministro da Educação que até o momento não deu nenhuma resposta. Este é um processo de negociações dos docentes com o governo federal”, declara.

Atualmente o salário de professores graduados inicialmente para 20 horas aulas é de R$ 2.080,00, mestres R$ 4 mil e doutores R$ 8.600. As universidades federais de Mato Grosso do Sul atendem 17 mil alunos no Estado, dentre eles, 8 mil apenas em Campo Grande. 

Jornal Midiamax