Cotidiano

Prefeitura não tem previsão para pagar acerto de comissionados de Olarte

Executivo terá posicionamento na sexta-feira (9)

Jessica Benitez Publicado em 06/10/2015, às 17h47

None
disney_0.jpg

Executivo terá posicionamento na sexta-feira (9)

A Prefeitura de Campo Grande ainda não tem previsão de pagamento aos funcionários que eram comissionados na gestão de Gilmar Olarte (PP) e foram exonerados após o retorno do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), no final de agosto. Segundo o secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle (Seplanfic), Disney Fernandes, somente na próxima sexta-feira (9) será traçado plano de quitação referente a outubro, mas, diante da situação do caixa, estão sendo escolhidos os prioritários.

“É aquela questão das prioridades, né? Nós elencamos esse pagamento (dos comissionados exonerados), mas tudo depende da disponibilidade de caixa”, disse. Ele argumentou que a situação não é exclusiva dos ex-funcionários de Olarte, trata-se de problema financeiro generalizado.

“A gente fecha as contas de setembro essa semana. Vamos programar os compromissos de outubro na sexta-feira aí saberemos quais despesas de outubro vão entrar no planejamento. Porque não são só eles, essa questão tem amplitude bastante grande, não é localizada”, completou.

Os exonerados pretendem entrar com ação coletiva na Vara da Fazenda no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) até sexta-feira, caso não haja sinalização de pagamento e as respectivas rescisões, conforme antecipou o advogado Cassiano Garcia Rodrigues. Ele deve reunir, pelo menos, 30 pessoas que aguardam o ‘acerto’ por parte do Executivo.

O objetivo é pedir o sequestro de valor em conta para que a dívida seja quitada. Ao assumir, Bernal exonerou mais de 1,5 mil funcionários comissionados de Olarte, cujos pagamentos somavam mais de R$ 6 milhões ao mês. Alguns foram recontratados, mas, mesmo estes, têm o direito de receber pela demissão. Disney, por sua vez, acredita não ser necessário acionar a Justiça. “Estamos nos organizando para pagar”.

Jornal Midiamax