Cotidiano

No terceiro dia de paralisação, enfermeiros fazem assembleia para decidir por greve

Pedido de reajuste de 12% foi recusado pelo hospital

Thatiana Melo Publicado em 29/07/2015, às 12h28

None
img-20150727-wa0021.jpg

Pedido de reajuste de 12% foi recusado pelo hospital

No terceiro dia de paralisação, os profissionais de enfermagem que trabalham na Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande fazem assembleia durante esta quarta-feira (29) para decidir pela greve da categoria.

De acordo com o presidente do Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Lázaro Santana, foi recusado à última proposta feita pelo hospital de um reajuste linear de 6% retroativo a maio.

“Vamos fazer a assembleia nos três turnos para decidirmos pela deflagração da greve dos profissionais”, explica Lázaro. Se a categoria decidir pela greve nesta quarta-feira, pelo menos 70% dos profissionais cruzarão os braços.

“Uma proposta foi enviada em março para a direção do hospital, e nossa data base é em maio, e até agora não conseguimos chegar a um consenso”, fala o presidente do sindicato. Ainda de acordo com Lázaro na proposta enviada, os trabalhadores pedem um reajuste nos salários dos técnicos de enfermagem com nível superior, de R$ 1.132 para R$ 1.780.

O pedido inicial de reajuste foi de 12,64%, que foi recusado pela direção do hospital, oferecendo 8,34% parcelado em duas vezes, a primeira parcela para julho retroativo a maio e a segunda em setembro, sendo recusada pela categoria.

Além dos reajustes, a categoria ainda pede o abono de assiduidade de R$ 184. “A greve é a última alternativa, já que estamos tentando de todas as formas por uma negociação pacífica”, explica Lázaro Santana.

Jornal Midiamax