Cotidiano

Moradores reclamam de lixão no Panamá improvisado por vizinhos

Moradores dizem que falta conscientização por parte da população

Midiamax Publicado em 27/04/2015, às 15h07

None
img-20150427-wa0050.jpg

Moradores dizem que falta conscientização por parte da população

A proliferação da dengue tem preocupado moradores da Rua Catulino Severo Monteiro, no Jardim Panamá, na região oeste de Campo Grande. Conforme os relatos, o local foi transformado em depósito de lixo e propicia a procriação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.

O pedreiro Gilson Ivan Paes de Souza, de 45 anos, que mora há 38 na região, destaca que muitos moradores, de ruas distantes do terreno, trazem lixos para o local onde é possível encontrar muitos resíduos domésticos como, potes de iogurtes, sorvetes, sacos plásticos, livros e revistas.

“Antes não era assim, isso começou depois que fecharam o lixão no Bairro Santo Antônio. Agora jogam tudo aqui e o pior é que não adiante a equipe da Prefeitura limpar porque eles vão continuar jogando. As pessoas não deveriam jogar lixo aqui, precisam ter mais educação”, lamenta.

Para o morador, a principal preocupação é em relação a proliferação do mosquito da dengue. “Já tive a doença por duas vezes e na última fiquei uma semana internado tomando soro”, relata. O pintor automotivo, Franklin do Nascimento, de 23 anos, que também mora na região, destaca que é preciso conscientização.

“A gente procura manter a nossa casa limpa, mas mesmo com esse cuidado corremos risco porque o problema maior é na vizinhança. Não adianta a gente limpar  e o vizinho não cuidar”, observa.

A assessoria de comunicação da Prefeitura destaca que em casos como este a reclamação deve ser feita por meio do telefone: 156. Após a denúncia um fiscal da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) deve ir ao local e se constatado o problema, deverá notificar o responsável para que a limpeza seja realizada.

O proprietário que não cumprir o aviso pode ser multado. A multa varia entre R$ 1.624,50e R$ 6.498,00, de acordo com a gravidade.

Jornal Midiamax