teria destacado problemas na saúde pública

O presidente do (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul), Valdir Shigueiro Siroma, afirma que a população ganhou com a paralisação da categoria, que durou quase duas semanas em .

Nas negociações, os médicos aceitaram discutir a reposição salarial e a mudança da data-base a partir de agosto e em contrapartida, a Prefeitura se comprometeu em retomar o pagamento das gratificações e parcelar remunerações não pagas em seis vezes.

O presidente do sindicato afirma que não houve avanço para a categoria. “Não obtivemos nenhum ganho, apenas recuperamos as gratificações que foram retiradas. Vamos aguardar até agosto para ver os nossos benefícios”, pontua. Siroma diz ainda que a população foi beneficiada com a paralisação de 12 dias.

“Quem ganhou mesmo foi a população porque durante a greve estivemos reunidos com o Conselho Municipal de Saúde e com o Ministério Público Estadual e vários problemas da saúde foram destacados e essa responsabilidade foi tirada das costas dos médicos. Já vínhamos brigando por investimento e escalas completas e isso não acontecia. Agora ficou o alerta aos órgãos responsáveis”, declara.

Atualmente a média salarial de médicos que cumprem 20 horas semanais nos postos de saúde da Capital é de R$ 2.580, valor que dobra com as gratificações. O fim da greve foi anunciado nesta quinta-feira (28) e o sindicato aguarda a Procuradoria Geral do Município para seguir com procedimentos jurídicos para que a categoria retorne ao trabalho. “Ontem (quinta-feira) mandamos a petição para a Procuradoria e eles têm de mandar para o Fórum porque está sob ação judicial estamos aguardando a manifestação”, explica.

No último dia 18 o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) acatou o pedido feito pela Prefeitura de Campo Grande contra o Sinmed, que alegava ‘ilegalidade abusiva de greve’ e determinava ainda a volta imediata dos profissionais.