Cotidiano

Ipê leva a fama, mas outra árvore é mais popular de Campo Grande

 A espécie encontrada com maior frequência é o oiti

Gerciane Alves Publicado em 10/10/2015, às 15h26

None
cg.jpg

 A espécie encontrada com maior frequência é o oiti

Já faz um tempinho que Campo Grande carrega o título de Capital mais arborizada do Brasil, mas se engana quem pensa que essa honraria se deve a quantidade de ipês, que nesta época do ano deixam a “Cidade Morena” mais colorida. Apesar de também ser chamada carinhosamente de ‘Capital dos Ipês’, a espécie encontrada com maior frequência é o oiti.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o oiti representa mais de 18% das árvores plantadas em Campo Grande. A primeira espécie de ipê que aparece nesta relação e na décima posição é o ipê roxo, com 1,65%. Podendo atingir de 8 e 15 metros alturas e originário das restingas costeiras do nordeste do Brasil, o oiti é muito utilizado na arborização urbana de várias outras cidades do país.

Com 161 espécies de árvores diferentes, sendo 92 delas nativas do bioma local, a capital cidade sul-mato-grossense tem um índice de arborização em área urbana que chega a 96%, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Isso significa que 96 casas, a cada 100, possuem uma árvore.

Desde 2009 a Secretaria de Meio Ambiente tem trabalhado no diagnóstico das árvores da cidade, identificando espécies, quantidades e áreas que precisam de novos plantios.  EPara manter o bom nível de arborização urbana, a prefeitura planta, anualmente, 25 mil mudas. Mas apesar do alto número, as autoridades deixam claro que apenas 20% das plantas se desenvolvem em consequência dos processos naturais e também da depredação.

Jornal Midiamax