Cotidiano

INSS volta a atender a população, mas peritos médicos ainda continuam em greve

Fila para perícia médica já chega a 6 mil no Estado  

Thatiana Melo Publicado em 29/09/2015, às 11h20

None
inss_5_0.jpg

Fila para perícia médica já chega a 6 mil no Estado

A greve dos servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) chegou ao fim e os segurados voltam a ser atendidos nesta quarta-feira (30) em Mato Grosso do Sul. Os servidores aceitaram a proposta do governo federal de reajuste de 10,8% parcelado em duas vezes, sendo a primeira parcela para agosto de 2016.

“Para colocar todos os atendimentos em dia vamos fazer um mutirão, mas com a greve dos médicos peritos as perícias médicas terão de ser todas reagendadas”, explica Henrique Martini, da comissão de greve dos servidores.

O delegado estadual dos médicos peritos em Mato Grosso do Sul, George Martim, afirmou que dos 13 pedidos de reunião com o governo federal para a negociação nenhum foi atendido. “Até agora não obtivemos resposta do governo, e a greve continua com 65 médicos dos 97 parados em todo o Estado”, explica Martim. Ainda de acordo com o médico perito, os profissionais estão trabalhando em regime de escala com efetivo de 30% para atender a população.

“Alguns segurados terão de reagendar as perícias médicas, mas quem estiver em gozo de benefício e precisar da perícia por enquanto será prorrogado até que termine a greve”, afirma. Martim informa que por dia são remarcadas 700 perícias e que a fila de represamento é de 6 mil aguardando pela perícia médica.

Segundo informações 12 cidades de Mato Grosso do Sul não tem peritos médicos, na região sul do Estado as cidades de Deodápolis, Maracaju, Ivinhema, Mundo Novo e Caarapó estão sem médicos.

Greve peritos médicos

A greve da categoria começou no dia 4 de setembro, 55 dias depois da greve dos servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Os profissionais pedem um reajuste de 27%, redução da carga horária de 40 horas para 30 horas semanais, além da realização de concurso público, já que de acordo com informações para um atendimento adequado seria necessário mais 20 médicos peritos de imediato no Estado e mais 12 nos próximos dois anos.

Jornal Midiamax