Cotidiano

Finados: campo-grandenses acordam cedo para prestar homenagens

Pessoas quiseram evitar tumulto e trânsito 

Wendy Tonhati Publicado em 02/11/2015, às 11h12

None
img-20151102-wa0004.jpg

Pessoas quiseram evitar tumulto e trânsito 

Para evitar tumulto, trânsito e calor, boa parte dos campo-grandenses preferiram acordar cedo nesta segunda-feira (2), Dia de Finados, para ir até ao cemitério e prestar homenagens aos familiares já falecidos. No cemitério Santo Antônio, o mais antigo de Campo Grande, por volta das 7h30, o movimento ainda era tímido, mas já começa a aumentar. 

O corretor de imóveis Jorge Luís Rosa Rodrigues, de 58 anos, disse que foi logo cedo por conta da temperatura amena e “para poder ficar mais a vontade com os entes queridos”. Ele diz que no momento em que tem poucas pessoas no cemitério tem mais tranquilidade para fazer uma oração. Rodrigues conta que possui três gerações da família no cemitério, inclusive, o ex-prefeito de Campo Grande João Carlos Sebastião. “É interessante, pois também encontro vários parentes que não vejo sempre. Pretendo passar isso para o meu filho”, diz. 

O aposentado José Martin, de 43 anos, disse que foi logo cedo ao cemitério para quer evitar o fluxo de mais tarde e aproveitar o “ar mais fresco”. Ele foi visitar os túmulos da sogra e do sogro. “É um dia especial e de saudade”.  

Aos 72 anos, o piloto de aeronaves Osvaldo Alves de Souza, de 72 anos, teve a mesma estratégia. Foi visitar o túmulo do pai e preferiu o começo da manhã para evitar o trânsito. 

O aposentado Celestino Valentin, de 66 anos, disse que preferiu ir ao cemitério logo cedo, pois é um costume de família e de quem foi criado na roça. “O dia só começa quando resolver as coisas principais”. Valentin não tem parentes enterrados no cemitério, mas mesmo assim, foi até o local acender uma vela. 

Jornal Midiamax