Cotidiano

Empregados dizem que não receberam de fábrica de calcinhas e vão novamente ao MPT

Mais de 300 funcionários estão sem o salário de setembro

Wendy Tonhati Publicado em 26/10/2015, às 15h34

None
img-20151019-wa0009.jpg

Mais de 300 funcionários estão sem o salário de setembro

Os funcionários da empresa de confecção Universo Íntimo ainda não receberam o salário de setembro, atrasado desde o dia 6 de outubro. Os trabalhadores dizem que em negociação no MPT (Ministério Público do Trabalho) na semana passada, ficou acordado que a empresa pagaria os funcionários até a sexta-feira (23), mas até o fechamento deste texto, os funcionários afirmam que ainda não receberam o pagamento. 

De acordo com o encarregado de manutenção José Carlos Echeverria, nesta segunda-feira (26), ele e uma comissão com sete funcionários já conversaram com advogados e pretendem marcar um horário para falar com o procurador do trabalho Cícero Rufino Pereira. "Ninguém recebeu e hoje na empresa não apareceu ninguém. Se não for resolvido, queremos fazer uma reunião geral no MPT". 

Solidariedade -Com mais de 300 funcionários, muitos já estão passando necessidades. Segundo as trabalhadoras, no fim de semana, foi organizada uma arrecadação de alimentos para levar a quem já estava sem comida em casa. 

Acordo

Em audiência no dia 22, na sede do MPT, a empresa firmou TAC (termo de ajuste de conduta) perante o procurador do trabalho para pagamento das verbas rescisórias devidas aos 82 trabalhadores demitidos nos dias 8 e 9 de setembro. Quanto aos salários de setembro atrasados dos mais de 300 empregados que permanecem contratados, a promessa era de recebimento até o dia 23.

Além disso, a empresa se comprometeu a tomar todas as providências junto à Caixa Econômica Federal para liberação do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço desses trabalhadores), com a entrega, até 30/10/2015, de toda a documentação necessária para eles possam dar entrada no recebimento do FGTS e para se habilitarem ao recebimento do Seguro Desemprego.

Jornal Midiamax