Cotidiano

Chuva forte e enxurrada atrapalham pedestres e veículos no Centro

Previsão alerta para ventos fortes e descargas elétricas

Kemila Pellin Publicado em 27/10/2015, às 17h35

None
img-20151027-wa0068.jpg

Previsão alerta para ventos fortes e descargas elétricas

Depois de ter ficado vários dias sem chuva, Campo Grande escureceu no início da tarde desta terça-feira (27), o céu fechou e a água despencou, em uma pancada que, segundo a meteorologia, vai ser rápida, mas intensa. No Centro da cidade, os efeitos típicos já são sentidos, como semáforos desligados, devido as descargas elétricas, já anunciadas pela previsão do tempo, e ruas alagadas.

No cruzamento das ruas Padre João Crippa com José Antônio, a pane no semáforo está deixando os motoristas em alerta, assim como na Rua 14 de Julho, quase esquina com a Professor Ramos Severino de Queiroz, onde a enxurrada arrastou os sacos de lixo para o meio da pista. Na mesma via, os canteiros sumiram em meio a água, que também subiu pelas calçadas, atrapalhando quem espera pelo transporte coletivo nos pontos de ônibus.

De acordo com a meteorologista Cátia Braga, do Cemtec (Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos), a chuva deve ser passageira, porém intensa, o que deve causar alagamentos em vários pontos da cidade. A previsão também alerta para queda de raios e descargas elétricas, além de ventos de moderado a forte, que podem passar de 50 km/h.

Segundo a meteorologista, a velocidade é suficiente para causar danos significativos. “Ventos de 20 a 30 km/h, que são considerados moderados, já são suficientes para derrubar árvores, por exemplo”, explicou. Ontem, um ingá de porte grande, partiu ao meio durante a chuva, no canteiro central da Avenida Afonso Pena.

Até o momento o Corpo de Bombeiros ainda não registrou nenhuma ocorrência relacionada a chuva desta terça-feira. Para o restante da semana, a previsão ainda é de chuva e quedas de temperatura durante os temporais.

Oportunidade

Em meio à chuva forte, o vendedor Eleilson Macedo, 28 anos, aproveitou para tentar emplacar seu produto: guarda-chuva. Mas mesmo com todo esse temporal, as vendas não estão fluindo bem. Segundo ele, desde às 7 horas, só uma peça havia sido vendida. “Pessoal tá preferindo se molhar a comprar”, definiu. Cada guarda-chuva é vendido por 15 reais.

Jornal Midiamax