Cotidiano

À espera de proposta, professores voltam a acampar em paço municipal

Professores devem ficar no paço até quinta-feira 

Midiamax Publicado em 23/06/2015, às 21h04

None
_mg_1546_1.jpg

Professores devem ficar no paço até quinta-feira 

Os professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) vão voltar a acampar no paço da Prefeitura Municipal de Campo Grande nesta quarta-feira (24). A decisão foi tomada durante a assembleia geral dos docentes na ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) e a medida de acordo com a categoria é para pressionar o executivo em relação à proposta de reajuste que deve ser encaminhada na quinta-feira (25).

Segundo o presidente da ACP, Geraldo Gonçalves, a categoria pede que o reajuste de 13,01% seja parcelado até março de 2016 para que a greve termine e os alunos voltem às aulas regulares. “Essa é uma proposta política, uma vez que eles já deram na proposta de 8,5% a possibilidade de dividir esse valor até dezembro”.

Os professores pedem que a Prefeitura pague 0,5% em junho e 1,33% até dezembro, o restante para completar 13,01% deve ser divido entre janeiro e março. Para pressionar o chefe do executivo, os docentes planejam voltar para a sede da Prefeitura nesta quarta-feira e permanecer até que saia uma posição. “O secretário de governo, Paulo Matos, disse que na quinta-feira tem uma posição para a categoria”.

Com base no prazo estipulado por Matos os docentes marcaram uma nova assembleia para sexta-feira (26) e também vão realizar o Dia D, onde todas as escolas vão paralisar para que a categoria esteja reunida na assembleia.

“Ele disse que vai nos dar uma posição na quinta-feira porque os membros da comissão que está discutindo o reajuste dos professores estão viajando e voltam só amanhã. Eles sabem que politicamente a greve está ruim para a imagem da Prefeitura” .

Na manhã desta quarta-feira os professores vão panfletar e adesivar veículos na Avenida Afonso Pena com a Rua 14 de Julho. O ato tem como objetivo estimular o apoio da população ao movimento grevista. 

Jornal Midiamax