Cotidiano

Chuva forte derruba árvores e causa transtornos no trânsito a moradores da Capital

A chuva que cai na tarde deste domingo (8) causou transtornos em algumas regiões de Campo Grande. Na Rua Nossa Senhora das Merces, no Bairro Chácara Cachoeira, uma árvore da espécie ficus, de aproximadamente 12 metros, caiu em cima dos fios de alta tensão. Segundo o Corpo de Bombeiros, esta é a 10ª ocorrência somente […]

Arquivo Publicado em 08/06/2014, às 20h00

None

A chuva que cai na tarde deste domingo (8) causou transtornos em algumas regiões de Campo Grande.

Na Rua Nossa Senhora das Merces, no Bairro Chácara Cachoeira, uma árvore da espécie ficus, de aproximadamente 12 metros, caiu em cima dos fios de alta tensão. Segundo o Corpo de Bombeiros, esta é a 10ª ocorrência somente hoje.

Os bombeiros afirmaram que há um ano um galho desta mesma árvore caiu em cima de um carro e desde então os moradores pedem vistorias da Prefeitura, mas nada foi feito.

O pedreiro José Aparecido, de 40 anos, viu o momento em que a árvore caiu. Segundo ele, os ventos fortes durante o dia contribuíram para a queda. “Ventou o dia todo, então depois 40 minutos de chuva ela não aguentou e caiu”, relata José Aparecido.

O pedreiro não é morador da região, mas está sempre por lá e destaca que a Prefeitura foi chamada várias vezes, mas não foi até o local.

Na Rua Andrade Neves, região do Bairro Noroeste, os moradores reclamam da situação no local. De acordo com a doméstica Luzia Moreira da Silva moradora do bairro há 4 anos, toda vez que chove fica impossível sair de casa por conta do barro.

“Meus filhos tem que amarrar sacolinha nos pés para conseguir chegar à escola com os pés limpos. Até para o ônibus fica difícil passar quando chove”, conta Luzia.

O mecânico Claudemir Azevedo não mora na região, mas costuma ir sempre ao bairro e reclama que fica difícil até de chegar ao local. ”Independente do meio de transporte, seja de carro ou a pé, fica complicado”.

Otaviano Santos, que é proprietário de um estabelecimento na região, reclama do fato de que, mesmo sendo linha de ônibus, a rua não tem asfalto. “Fica difícil até de atravessar a rua. O asfalto é promessa há 4 anos, mas nunca foi feito”.

Pela cidade, alguns semáforos apresentaram defeito, colocando em risco a vida dos motoristas. Quem passava pela Avenida Ernesto Geisel com a Rua Marechal Rondon teve de redobrar a atenção. O mesmo acontecia com os motoristas na 15 de Novembro e na Joaquim Murtinho.

Jornal Midiamax