Cotidiano

Por medo da violência, moradores adotam ‘toque de recolher’ e querem mudar de bairro

Na rua dos “Amigos”, três assassinatos, um deles bárbaro, assustaram os moradores num dos bairros mais povoado de Campo Grande

Arquivo Publicado em 27/02/2011, às 18h45

None
873589793.jpg

Na rua dos “Amigos”, três assassinatos, um deles bárbaro, assustaram os moradores num dos bairros mais povoado de Campo Grande

Os moradores da Rua dos Amigos, que corta o bairro Nova Lima, em Campo Grande, acompanharam mais um crime violento nesta sexta-feira (25). Foi o terceiro assassinato na mesma rua desde dezembro, quando o local, no Jardim Anache, já tinha sido palco de duas mortes seguidas. A população, assustada, evita sair de casa, reclama da insegurança, mas tem medo de tocar no assunto.


Em 6 de dezembro um rapaz matou outro, de apenas 16 anos de idade, por causa de um “cala a boca” durante uma discussão. O pai do autor também foi morto no mesmo dia, linchado por parentes e amigos da primeira vítima. A Justiça concedeu na terça-feira (22) o habeas corpus a Paulo Roberto Lopes, detido desde o dia 8 de dezembro passado por suposta participação no linchamento até a morte.


No último caso, outra morte trágica. O rapaz ainda telefonou ao pai pedindo socorro e avisando pelo celular que estava esfaqueado e morrendo. Uma pessoa que fugiu em uma motocicleta é a principal suspeita do crime. Não há pistas.


Enquanto os jovens morrem e causam mortes, famílias ficam reféns. A doméstica Áurea Ferreira Dias, de 53 anos, mora na Rua dos Amigos há 21. “Isso aqui já foi calmo. Agora não tem como viver aqui”, lamenta. Ela pretende alugar a casa que possui no local e procurar uma região mais tranqüila para criar o filho, de 17 anos. “Nessa idade é complicado viver aqui. Fico desesperada quando ele volta da escola”, explica.


Assim como Áurea, o comerciante José Francisco Paiva, de 66 anos, também reclama da Rua dos Amigos. “Moro aqui há 28 anos, mas o negócio anda bem feio de uns tempos para cá. Tá dando medo”, resume.


Os moradores evitam sair de casa após as 18 horas, e todos que possuem filhos adolescentes sentem-se impotentes para proteger a família. “Não tem segurança nenhuma não. Só nos resta orar a Deus por causa de nossos filhos”, diz outra doméstica, Elenir Antonio Moreiro, 47 anos, que mora na rua há 16 anos.

Jornal Midiamax