Cotidiano

Mesmo com risco de explosão, moradores não deixam bairros construídos em cima de lixão em Dourados

Pensionista Antonia Marcelina da Silva, que há 23 anos mora na vila Seac, afirmou que vai resistir para não ter que se mudar; recomendação da retirada é do Ministério Público Estadual

Arquivo Publicado em 23/03/2011, às 19h11

None
957320519.jpg

Pensionista Antonia Marcelina da Silva, que há 23 anos mora na vila Seac, afirmou que vai resistir para não ter que se mudar; recomendação da retirada é do Ministério Público Estadual

As quase duzentas famílias que moram nos bairros Canaã VI e Vila Seac na periferia de Dourados já avisaram que não querem mudar mesmo havendo risco de explosões por causa dos gases que podem ser liberados pelo fato das casas terem sido construídas há mais de vinte anos numa área onde funcionou o antigo lixão da cidade.

Hoje à noite os moradores das duas vilas vão se reunir com representantes da Prefeitura Municipal para começar a discutir como será feita a remoção das famílias para outra área para cumprir determinação do Ministério Público Estadual que recomendou a retirada das famílias para evitar uma tragédia.

A pensionista Antonia Marcelina da Silva que há 23 anos mora na vila Seac afirmou que vai resistir para não ter que se mudar. Ela e grande parte dos moradores estão com medo de perder suas casas e não serem indenizados pelas benfeitorias feitas.

A presidente da Associação de Moradores do jardim Canaã VI, Silvia Helena da Conceição disse que a comunidade está apreensiva com a notícia de que todas as casas terão que ser demolidas.

Na opinião da presidente o fato dos bairros terem sido construídos pela Prefeitura em cima do lixão não chegar a preocupar. “Estamos há mais de duas décadas aqui e nunca aconteceram acidentes”, disse a presidente que espera um acordo justo entre a Prefeitura e os moradores.

Antonia Marcelina não acredita que a Prefeitura vá entregar uma casa igual as que os moradores têm. “Queremos também ser indenizados”, reclama a pensionista que quer saber quem vai pagar pela sua história de vida no bairro onde viu seus filhos crescer e seus netos nascer.

As vilas Seac e Canaã VI são servidas de pavimentação asfáltica, redes de água, energia elétrica e esgoto e fica a menos de cem metros de duas escolas, posto de saúde, praça, campo de futebol e de igrejas.

A reunião de hoje contará com a presença do secretário municipal de planejamento Antonio Nogueira e de funcionários do Departamento de Assuntos Fundiários da Prefeitura.

Está prevista a construção de um novo conjunto habitacional na região do Parque do Lago com toda infra-estrutura enquanto que no local onde as casas serão demolidas deverá ser construída uma praça de lazer.

Jornal Midiamax