Cotidiano

Garota de 16 anos é morta a tiro durante assalto em bairro de Corumbá

Estudante caminhava ao lado do primo de 15 anos, quando foi abordada pelos ladrões; a garota teve o celular roubado e levou tiro no peito

Arquivo Publicado em 07/09/2010, às 16h00

None

Estudante caminhava ao lado do primo de 15 anos, quando foi abordada pelos ladrões; a garota teve o celular roubado e levou tiro no peito

A adolescente Aline Pereira Quiantareto, 16 anos, foi morta com um tiro no peito, na rua Teodomiro Serra, próximo à Igreja São Vicente de Paula, no bairro Popular Velha, em Corumbá, por volta das 19h50 de ontem, 06 de setembro. Dois adolescentes roubaram o celular dela e um deles atirou contra a menina, que morreu no local, nos braços do primo de 15 anos de idade. A adolescente, estudante da Fundação Bradesco, tinha ido à cidade para visitar a família.

“Saí de casa na segunda-feira por volta das 19 horas. Deixei a Aline brincando com os sobrinhos, estava tudo bem, era uma alegria quando ela vinha da Fundação Bradesco [onde estudava] passar o feriado e as férias, parecia que a casa se enchia de alegria. Quando voltei, por volta das 21 horas, encontrei minha sogra sentada em frente à minha casa e ela apenas me disse que minha filha havia morrido. Não entendi nada, é tanta tristeza que nem acredito que isso seja verdade”, disse Ernestina Pereira, mãe da adolescente ao diarionline.

Aline cursava o terceiro ano do Ensino Médio na Fundação Bradesco e a conclusão desta etapa de ensino enchia a menina de sonhos.

“Ela estava se preparando para fazer o Enem, estava se aplicando nos estudos, parecia um sonho o fato de ela estar próximo de concluir os estudos. O sonho dela era entrar na faculdade e acredito que pelo esforço dela, isso iria acontecer”, lamentou a mãe.

Segundo relatos do primo de 15 anos, que acompanhava Aline na hora do crime, a garota foi abordada pelos ladrões que estavam de bicicleta e exigiram o celular.

Ela entregou e mesmo assim, um dos bandidos atirou e acertou o lado direito do tórax da vítima. “O primo dela está em estado de choque, pois ela morreu nas mãos dele. O garoto não quer sair de casa, não quer falar com ninguém. Ele está revoltado, pois afirma que ninguém socorreu. Ele disse que teve que arrastar a prima pelos braços para perto de um bar para ser socorrida. Peço justiça, apenas isso, pois não é justo interromper a vida de uma adolescente que tinha tantos planos para viver”, afirmou Ernestina.

A jovem retornaria para a Fundação Bradesco nesta terça-feira, 07 de setembro. Ela estava na cidade desde sábado, dia 04, para passar o feriado de Independência do Brasil com a família. Com a morte da adolescente, os alunos da Fundação Bradesco, que estão em Corumbá, adiaram o retorno para quarta-feira, dia 08.

Aline estudava na Fundação desde 2004 e a família da jovem havia se mudado para a área urbana de Corumbá há menos de um ano, eles moravam no assentamento Urucum.

“Acreditamos que depois dessa tragédia iremos mudar novamente. A avó de Aline disse que não quer mais permanecer nesta casa. Esse é o segundo velório que fazemos aqui, pois há alguns meses velamos nosso sobrinho, de apenas quatro anos, que foi atropelado por um caminhão. Este ano foi trágico para toda a família”, relatou desolada a mãe da adolescente.

“Aline deixa muitas saudades. Nesse momento peço apenas justiça. Minha filha deixa muitos sonhos de vida e saudades a toda família e amigos. Nossa esperança é que ela esteja em paz”, disse Ernestina Pereira, 48 anos, numa forma de homenagear a filha.

O delegado da Polícia Civil de Corumbá, Enilton Zalla, responsável pelas investigações do caso, informou a este Diário que possivelmente os autores seriam menores de idade.

“A Polícia ainda não tem suspeitos efetivos, mas já está trabalhando nas investigações e há informações de que os autores do crime seriam menores de idade”, disse.

Jornal Midiamax