O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou ser necessária uma regulamentação da IA (inteligência artificial) baseada em valores e princípios gerais. Segundo ele, a rapidez com que os avanços da tecnologia ocorrem torna difícil a possibilidade de “apreensão e normatização” de detalhes mais específicos, já que “os detalhes de hoje, não estão mais vigorando amanhã”.

A fala de Barroso ocorreu nessa segunda-feira (29), durante palestra de inauguração do ano judicial da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Com o tema “Revolução tecnológica, plataformas digitais e inteligência artificial”, a conferência do ministro ocorreu na cidade de São José, capital da Costa Rica.

No início de sua preleção, o ministro falou das mudanças que a internet e as plataformas digitais fizeram na vida da sociedade global. Depois, ele tratou dos malefícios que o uso não regulamentado destas plataformas causam a todos, e citou a “circulação sem filtro da informação, a tribalização da vida causada pelos algoritmos, a crise na imprensa tradicional.”

Para Barroso, então, é necessário a regulamentação a fim de “impedir que o mal domine essa tecnologia tão poderosa”, disse. Porém, segundo o ministro, “é preciso acertar a mão dessa regulação. Nós queremos nos proteger contra aqueles males, mas ninguém quer coibir a pesquisa e o esforço de inovação.”

Como exemplo, o ministro trouxe em sua fala a tentativa de regulamentação da e dos Estados Unidos. Ele também citou as recomendações da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), da ONU (Organização das Nações Unidas) e da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Com informações da Agência Estado