Na reunião bilateral travada em Hiroshima por aproximadamente uma hora, às margens da cúpula do G-7, o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, afirmou ao presidente Luiz Inácio da Silva (PT) que vai adotar a isenção de visto aos brasileiros.

Kishida também anunciou uma linha de crédito de R$ 1 bilhão voltada ao setor de saúde, sem, no entanto, dar detalhes do formato da concessão do empréstimo.

O aceno do anfitrião vem uma semana depois de o governo retomar a exigência de visto para turistas de Japão, Estados Unidos, Austrália e Canadá. A regra já existia, foi alterada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro em 2019 e agora volta a vigorar a partir de 1º de outubro pelo princípio da reciprocidade. Ou seja, o Brasil exigirá o documento porque esses mesmos países exigem visto a turistas brasileiros.

“O primeiro-ministro Kishida anunciou que o governo do Japão iniciaria procedimentos para a introdução da isenção de visto de curta duração para portadores de passaporte comum do Brasil”, diz um comunicado do governo japonês sobre o encontro com Lula.

O Japão tem incentivado as viagens internacionais de seus cidadãos como forma de aquecer o mercado de companhias aéreas, assim como espera fôlego do turismo nacional em meio ao iene fraco frente ao e ao controle da covid-19 em todo o globo

De acordo com a nota do governo do Japão, os dois líderes se comprometeram a trabalhar juntos para proteger o meio-ambiente e combater as mudanças climáticas. “O primeiro-ministro Kishida expressou sua esperança no avanço da reforma tributária no Brasil, afirmando que as empresas japonesas também estão atentas a isso”, acrescenta o texto.

A defesa da reforma tributária brasileira já fora feita pelo chanceler do Japão, Yoshimasa Hayashi, em bilateral com o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira. Os empresários japoneses também expressaram a mesma opinião de otimismo em reunião em com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

A linha de crédito de R$ 1 bilhão foi confirmada no comunicado japonês, mas sem detalhes. A comitiva brasileira tampouco emitiu seu posicionamento sobre essa questão. “O primeiro-ministro Kishida afirmou que o Japão em breve realizaria um empréstimo em ienes japoneses no valor de 30 bilhões de ienes [R$ 1 bilhão] para apoiar ativamente a saúde e outros setores do Brasil”, diz o texto.