Se eleito, Lula diz que não vê problema em dialogar com Centrão e outros setores

O petista declarou que o jogo político se constrói por meio da conversa com todas as forças políticas
| 26/01/2022
- 13:53
Lula
Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva (PT) voltou a sinalizar para uma política menos combativa e, na possibilidade de ser eleito, defendeu que a relação do governo com o deve ser de diálogo. "Você negocia com quem está eleito", afirmou. "Eu não vejo problema em conversar com o Centrão", disse.

"Você negocia com a direita, você negocia com a esquerda, você negocia com o centro, você negocia com católico, e evangélico, com ateu. Ou seja, você negocia com quem tem mandato para poder aprovar as coisas que precisam ser aprovadas", afirmou Lula, durante entrevista à rádio CBN do Vale do Paraíba na manhã desta quarta-feira, 26.

Reafirmando o discurso de diálogo com todos os setores, o petista declarou que o jogo político se constrói por meio da conversa com todas as forças políticas. "Convencendo as pessoas, aceitando sugestão, aceitando propostas de mudanças. É assim que se dá o jogo político no Planeta Terra onde existe democracia", disse.

No entanto, Lula voltou a falar de uma renovação do Congresso Nacional. "Nós precisamos eleger um conjunto de deputados que tenha uma visão do Brasil um pouco otimistas, um pouco mais social". "A gente não pode continuar com um Congresso que tornou o presidente da República refém", disse, em críticas às articulações do governo para manter a governabilidade.

Como exemplo, o ex-presidente falou sobre o orçamento secreto. Como revelou o Estadão, o governo Bolsonaro usa as chamadas emendas de relator-geral para conquistar o apoio de políticos do chamado Centrão no Congresso Nacional. A distribuição dos recursos ocorre sem critérios mínimos de transparência, cabendo a um grupo de parlamentares alinhado aos interesses do Palácio do Planalto definir como e onde bilhões de reais das verbas federais devem ser aplicados.

Vice

Lula também voltou a falar sobre sua escolha para a Vice-Presidência. O ex-governador (sem partido) continua sendo um dos nomes mais mencionados para compor a chapa Lula, que já declarou não ver problemas em construir aliança com o antigo adversário, voltou a dizer que espera uma escolha de partido pelo ex-tucano. A definição sobre o nome escolhido, continuou o petista, deverá ocorrer entre fevereiro e março.

Veja também

O chefe do Executivo, preocupado com seu desempenho fraco em pesquisas de intenção de voto em Minas Gerais

Últimas notícias