Brasil

Variante Ômicron: tudo o que você precisa saber sobre a nova ameaça da covid

Cepa foi considerada 'preocupante' pela OMS e países adotam novas restrições

Gabriel Maymone Publicado em 28/11/2021, às 09h13

Micrografia eletrônica das partículas do vírus
Micrografia eletrônica das partículas do vírus - NIAID/NIH

Classificada como 'variante de preocupação' pela OMS (Organização Mundial de Saúde), a Ômicron é aparentemente mais contagiosa e foi detectada pela primeira vez na África do Sul.

Logo, a descoberta desencadeou série de medidas rigorosas como proibições de viagens e restrições.

Onde surgiu a nova variante?

A cepa Ômicron foi detectada na África do Sul e o número de novos casos dessa variante aumentou exponencialmente em todas as províncias da África do Sul.

Outros países como Hong Kong, Botswana, na África e até em Israel e Bélgica já confirmaram casos da nova variante. Alemanha, Itália, Reino Unido e República Tcheca completam a lista de locais com a presença confirmada da Ômicron.

Por que é preocupante?

Dois fatores são primordiais para mantermos a atenção sobre essa variante: maior transmissibilidade e menor vulnerabilidade às vacinas.

Há ainda risco maios de reinfecção em comparação com outras variantes, além disso, o poder de transmissão dessa variante é incrivelmente alto.

As vacinas são eficazes contra a Ômicron?

Apesar de os imunizantes atuais terem resistido bem contra outras variantes, os fabricantes já estão se preparando para ajustar as vacinas para a Ômicron.

A AstraZeneca disse na sexta-feira que está analisando a variante ômicron para "entender mais sobre ela e o impacto na vacina", incluindo a realização de pesquisas em Botswana e Eswatini. A empresa também está avaliando seu tratamento com anticorpos contra a nova cepa.
A BioNTech, que desenvolveu uma vacina de mRNA com a Pfizer, disse que saberá em duas semanas se a injeção é eficaz contra a variante. Ela disse que, se necessário, pode adaptar sua vacina em seis semanas e começar a enviar os lotes iniciais em 100 dias.

E os outros países?

Apesar de ainda não ter confirmação de casos, países da União Europeia e Turquia fecharam fronteiras para viagens da alguns países nas região austral da África. Canadá e Estados Unidos também impuseram restrições de voos de passageiros vindos daquelas localidades.

Já o Brasil vai restringir entrada de pessoas vindas dos seguintes países a partir de seguinda-feira (29): África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

Jornal Midiamax