Brasil

Suspeito de estuprar menino de 12 anos, neonazista é preso na Zona Oeste do Rio

Vasto material nazista, como bandeiras, uniformes, carteira de partido nazista com a foto dele

Jornal Extra Publicado em 05/10/2021, às 22h41

Reprodução
Reprodução


Policiais da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) prenderam nesta terça-feira, dia 5, um homem acusado de abusar sexualmente de um menino de 12 anos. Ao chegar na residência de Aylson Proença Doyle Linhares, em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio, os agentes se depararam com um vasto material nazista, como bandeiras, uniformes, carteira de partido nazista com a foto dele, além de armas e munição.

O caso começou após um vizinho do condomínio onde Doyle mora denunciá-lo à polícia por ter importunado seu filho, de 12 anos. A partir do registro, policiais da 42ª DP apuraram que o suspeito tentava agarrar crianças dentro do condomínio. Com base nessas informações, os delegados Luiz Mauricio Armond, titular da distrital, e Talita Carvalho, assistente na 42ª DP, obtiveram da Justiça um mandado de prisão temporária contra Doyle por tentativa de estupro e um mandado de busca e apreensão, ambos cumpridos nesta terça-feira.

Na casa, havia pelo menos 12 fardas nazistas originais, inclusive da SS — a Schutzstaffel, ou Tropa de Proteção, organização paramilitar ligada ao Partido Nazista — nove armas, entre pistolas, revólveres e fuzis, bandeiras nazistas, um quadro de Adolf Hitler, memorabilia nazista e um documento da SS com a foto de Doyle vestido com uma farda da SS e a "patente" de obergruppenführer (o equivalente, na SS, ao posto de general).

Em virtude das armas e do material encontrados na casa, Doyle também será autuado em flagrante por porte ilegal de arma e discriminação racial.

A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara de Vereadores do Rio, Teresa Bergher, vai acompanhar as investigações do caso. Ela acredita que Aylson Doyle pertença a um grupo neonazista.

— Ele mantém praticamente um museu de adoração ao nazismo. É evidente que ele não age sozinho. Como arrumou todos estes objetos? Qual a atuação dele, além de colecionar esse material proibido? Queremos respostas e vamos exigir uma investigação rigorosa. Tempos terríveis estes, que vemos o crescimento do preconceito, do discurso do ódio e dos grupos neonazistas — lamentou Teresa, que é membro da comunidade judaica.

Jornal Midiamax