Brasil

Senadores querem abrir CPI para apurar ações e omissões do governo na pandemia

Para apurar a atuação do governo Federal durante a pandemia, nesta quinta-feira (4), 30 senadores assinaram a solicitação da abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar ações e possíveis omissões do governo no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Com essas assinaturas, agora é necessário que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco […]

Carolina Rocha Publicado em 04/02/2021, às 17h58

Senador Randolfe Rodrigues. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Senador Randolfe Rodrigues. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado - Senador Randolfe Rodrigues. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Para apurar a atuação do governo Federal durante a pandemia, nesta quinta-feira (4), 30 senadores assinaram a solicitação da abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar ações e possíveis omissões do governo no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

Com essas assinaturas, agora é necessário que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) autorize a CPI. O chefe da casa não tem nenhum prazo estipulado para se manifestar.

O documento, de iniciativa do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tem apoio de parlamentares de 11 partidos. Entre eles, integrantes do MDB, como o líder da bancada, Eduardo Braga (AM), Renan Calheiros (AL) e Simone Tebet (MS). Também fazem parte da iniciativa senadores do PSDB, como Tasso Jereissati (CE), além de membros do PSD, PT, PDT, PSL, PSB, Pros, Podemos e Cidadania.

O presidente do Senado foi questionado sobre essa CPI e afirmou que tomou conhecimento da solicitação e ainda precisa analisar se ela tem os requisitos necessários para instalação.

No documento que foi assinado pelos parlamentares, Randolfe fala sobre o colapso no sistema de saúde do Amazonas e afirma que é necessário que seja analisado com urgência sobre o caso. Entende que pode haver uma grande omissão do Governo Federal, levando em conta que este foi avisado que faltaria oxigênio nos hospitais da capital quatro dias antes de realmente acontecer a crise.

Também mencionou o fato do presidente não seguir orientações cientificas de autoridades sanitária e reforça que o governo fez recomendações de tratamentos sem eficácia comprovada para doença.

Sobre a vacina, reforçou que o governo federal se tornou um obstáculo para conseguir comprar os imunizantes. O senador considera que Bolsonaro tem “violado direito fundamentais básicos” e as ações precisam ser apuradas.

Jornal Midiamax