Brasil

Para liberar auxílio emergencial, Guedes diz que terá que cortar da educação e segurança pública

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que a liberação do Auxílio Emergencial só será possível se houver cortes em setores como o de educação ou segurança pública. “Quer criar o auxílio emergencial de novo? Tem que ter muito cuidado. Pensa bastante. Porque, se fizer isso, não se pode ter aumento automático […]

Carolina Rocha Publicado em 26/01/2021, às 15h12

Presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes (Agência Brasil)
Presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes (Agência Brasil) - Presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes (Agência Brasil)

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que a liberação do Auxílio Emergencial só será possível se houver cortes em setores como o de educação ou segurança pública.

“Quer criar o auxílio emergencial de novo? Tem que ter muito cuidado. Pensa bastante. Porque, se fizer isso, não se pode ter aumento automático de verbas para educação, para segurança pública”, disse, em videoconferência realizada pela Credit Suísse.

Guedes, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro disse que a situação vivida é semelhante a uma guerra, e por isso não é possível que tenha aumento de salários, pois só é possível entregar medalhas no fim da batalha.

“Durante a guerra, é fazer armamento. Pega os episódios de guerra aí e vê se teve aumento de salário durante a guerra, se teve dinheiro para saúde, educação… não teve, é dinheiro para guerra”, complementou o ministro da Economia.

Jornal Midiamax