Brasil

Moro rebate Bolsonaro e diz que ‘todo mundo sabe quem é quem nessa história'

Agência Estado Publicado em 03/12/2021, às 10h11

None

O presidenciável e ex-juiz Sergio Moro (Podemos-PR) rebateu as acusações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro na noite de quinta-feira (2), em sua tradicional transmissão semanal pelas redes sociais. O ex-ministro da Justiça reforçou a acusação de que o chefe do Executivo teria comemorado a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão e defendeu, citando seu compromisso com a população brasileira, o restabelecimento da execução em segunda instância no País.


"Não quero entrar em briguinhas, ofender, mas todo mundo sabe quem é quem nessa história e quem defende as coisas certas", disse Moro, em entrevista na manhã desta sexta-feira (3) à Rádio Jornal do Comércio do Recife. Ao ser chamado por Bolsonaro de mentiroso e sem caráter, o ex-juiz afirmou que não vai fazer acusações pessoais. Para ele, focar em xingamentos e não em programas políticos é "menosprezar a inteligência da população brasileira".


Em tom pacificador e com foco em pregar a convergência entre os políticos, distanciando-se da postura de Bolsonaro, Moro diz que não quer transformar uma discussão sobre o País em brigas pessoais. "Não vamos agredir as pessoas, não vamos ofender as pessoas, por mais que a gente discorde delas."


O ex-ministro manteve as acusações de que Bolsonaro teria comemorado a soltura de Lula e que um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) teria conversado com ele, a mando de Bolsonaro, para que não se trabalhasse para a execução em segunda instância. Sem citar nomes, Moro afirmou que, se o ministro não tiver a intenção de mentir para defender o presidente, não irá negar o relato.


Além disso, ele também cobrou que se questione Bolsonaro sobre o episódio. "Pergunte hoje ao presidente se ele defende a aprovação da emenda constitucional que restabelece a execução em segunda instância e se o governo dele vai trabalhar para aprovar Ou se ele vai de novo se omitir e comemorar quando criminosos são colocados na rua", declarou Moro, que considera "absolutamente necessária" a aprovação de execução em segunda instância.


Barbosa


Em meio às especulações da construção de uma chapa para a Presidência da República em 2022, Moro admitiu ter procurado o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. Segundo Moro, eles estão conversando, mas o ex-juiz ponderou que "ainda é muito cedo para essas questões de posições, de eventual candidatura". Na visão de Moro, Barbosa é um "grande quadro brasileiro". Ele disse ter procurado o jurista para ouvir suas ideias para o Brasil.


"Temos que trazer para esse projeto, seja para participar ativamente, ou seja para colaborar para o projeto, os melhores quadros do País", declarou o ex-juiz, na entrevista. "Ele é uma grande figura da história brasileira, mas estamos ainda conversando", despistando sobre uma provável chapa presidencial entre ambos.


"Acho que o ministro Joaquim Barbosa tem condições de ser o que ele quiser para o País, porque ele é um quadro de absoluta qualidade", disse, tecendo elogios ao ex-ministro.


Questionado sobre seu posicionamento em um possível segundo turno entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022, Moro afirmou que o "eleitor vai ter outras alternativas". "Não acredito que o futuro do Brasil seja tão trágico", disse.


"O brasileiro não pode ser forçado a escolher entre um governo no qual houve os dois maiores casos de corrupção da história e que acabou em corrupção e o governo atual da ‘rachadinha’ e de nova recessão", afirmou.

Jornal Midiamax