Brasil

Grupo usou nome da AstraZeneca para oferecer 200 milhões de doses de vacina

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 25, a Operação Taipan para investigar um grupo suspeito de oferecer fraudulentamente, ao Ministério da Saúde, 200 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, em nome de um grande consórcio farmacêutico, a AstraZeneca. A corporação considera o caso como uma tentativa de estelionato clássico, que não […]

Agência Estado Publicado em 25/03/2021, às 13h19 - Atualizado às 16h41

Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons - Foto: Wikimedia Commons

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 25, a Operação Taipan para investigar um grupo suspeito de oferecer fraudulentamente, ao Ministério da Saúde, 200 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, em nome de um grande consórcio farmacêutico, a AstraZeneca. A corporação considera o caso como uma tentativa de estelionato clássico, que não teve êxito.

Agentes cumprem sete mandados de busca e apreensão nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. As ordens foram expedidas pela Justiça Federal do Distrito Federal. De acordo com a PF, as investigações tiveram início após comunicação feita pelo próprio Ministério da Saúde.

As apurações indicam que ao menos duas pessoas, por meio de duas empresas, apresentaram credenciais falsas afirmando terem exclusividade para a comercialização do lote de vacinas. A PF diz ainda que identificou que a oferta fraudulenta também era feita a outros gestores públicos, entre governadores e prefeitos

A ofensiva apura supostos crimes de associação criminosa (art. 288, CPB), estelionato em face de entidade pública (art. 171, parágrafo 3º, CPB), falsificação de documento particular (art. 298, CPB) e falsificação de produto destinado a fins medicinais (art. 273, CPB).

Jornal Midiamax