Brasil

Contra CPI, presidente do Clube Militar defende golpe para ‘restabelecer ordem’

General Eduardo José Barbosa

Agência Estado Publicado em 29/04/2021, às 22h44

Presidente do Clube Militar, general Eduardo José Barbosa
Presidente do Clube Militar, general Eduardo José Barbosa

Após agenda oficial do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, registrar dois encontros com militares da reserva no Rio, na sexta-feira e no domingo, o presidente do Clube Militar, general Eduardo José Barbosa, publicou na quinta-feira, 28, uma nota com críticas e ameaças aos Poderes Legislativo e Judiciário, à oposição e à imprensa. Ele diz que o Executivo (Jair Bolsonaro) é o único Poder a cumprir a Constituição e crítica a CPI da Covid, no Senado.

"O Poder Executivo, único dos três poderes que está sendo obrigado a seguir a Constituição a risca, que utilize o Art 142 da Constituição Federal para restabelecer a Lei e a Ordem. Que as algemas voltem a ser utilizadas, mas não nos trabalhadores que querem ganhar o sustento dos seus lares, e sim nos verdadeiros criminosos que estão a serviço do ‘Poder das Trevas’ "

Segundo o general as "trevas" são representadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "E como "as trevas" têm poder devastador, no dia 27 de abril de 2021, instalou-se uma CPI no Senado, encabeçada por um senador cuja família foi presa recentemente por acusações de esquema de corrupção no Amazonas "

O militar diz que já conhece o resultado CPI. "Culpar o presidente por aquilo que não o deixaram fazer." Depois comparou os parlamentares com o traficante Fernandinho Beira-Mar e Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. "Temos os ‘Marcolas e Fernandinhos Beira-Mar’ investigando a atuação da polícia". Sobre os ministros do STF, general afirmou: "Se não conseguem inocentar o bandido de estimação, basta encontrar subterfúgios para anular processos". Em um tom messiânico, o general afirmou: "Bastou a eleição de um Presidente que acredita em Deus para que todo o inferno se levantasse contra ele".

Há 20 dias, o Clube publicou artigo em que chamava de traidor os generais que se opunham a Bolsonaro. O Estadão procurou a Defesa ontem para saber com quem o ministro se encontrou no Rio e o que foi tratado nos encontros, mas não obteve resposta. Nesta quinta-feira, 28, Braga Netto foi ouvido na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado. "Não existe politização nas Forças Armadas. Isso é uma ideia equivocada.

Houve uma troca de ministros e, por uma questão funcional, houve troca dos comandantes." Bolsonaro entrou em atrito com a antiga cúpula militar e demitiu o então ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva. O deputado federal Roberto Peternelli Junior (PSL-SP), que é general da reserva, disse não concordar com os termos da nota do Clube. "O pensamento médios de meus colegas é legalista. O Braga Netto pensa como o Fernando. Isso não muda."

Jornal Midiamax