Brasil

Butantan demonstra preocupação com insumos para fabricação da vacina parados na China

Nesta segunda-feira (18), o diretor do Instituto Butanta, Dimas Covas, afirmou que o atraso na entrega de mais insumos para produção da CoronaVac é preocupante. O material ainda está na China e se continuar, a matéria-prima necessária para fabricar a vacina acaba ainda esta semana no Brasil. “A capacidade de produção do Butantan é de […]

Carolina Rocha Publicado em 18/01/2021, às 16h19

Sputnik V. (Foto: Reprodução/Reuters)
Sputnik V. (Foto: Reprodução/Reuters) - Sputnik V. (Foto: Reprodução/Reuters)

Nesta segunda-feira (18), o diretor do Instituto Butanta, Dimas Covas, afirmou que o atraso na entrega de mais insumos para produção da CoronaVac é preocupante. O material ainda está na China e se continuar, a matéria-prima necessária para fabricar a vacina acaba ainda esta semana no Brasil.

“A capacidade de produção do Butantan é de 1 milhão de doses por dia, a depender chegada da matéria-prima. [A capacidade] foi atingida neste momento com a matéria-prima disponivel. Precisamos do adicional: 46 milhões de doses é o contrato adicional. As dificuldades, do ponto de vista de autorização, são do governo chinês, que precisa autorizar o envio da matéria-prima. [O insumo] Já está disponivel desde meados desse mês, e aguardamos essa autorização”, afirmou o diretor em entrevista coletiva na tarde desta segunda.

Até o momento, o instituto recebeu 6 milhões de doses prontas, esses que foram aprovados pela Anvisa. Ainda há insumos para fabricação de 4,8 milhões de doses. O que gerará um total de quase 11 milhões de doses, mas é o que se tem até o momento.

Jornal Midiamax